quinta-feira, 20 de junho de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Godzilla 2: A volta dos monstros japoneses

Godzilla 2: A volta dos monstros japoneses

Matéria publicada em 30 de maio de 2019, 09:00 horas

 


Grandalhão e sua turma retornam com efeitos de computação gráfica

Godzilla: 119 metros da cabeça ao rabo

“Godzilla 2: Rei dos monstros” é o mais novo exemplar daquilo que os japoneses chamam de Kaiju Eiga. Filmes sobre animais fantásticos, gigantescos, que ameaçam o Japão e o mundo. O filme do diretor Michael Dougherty é uma continuação daquele remake do Godzilla, feito em 2014. E que compensou o vexame que foi aquele filme do Rolland Emerich, que esculhambou com o monstrengo em 1998.

O gênero começou com o primeiro Godzilla, do diretor Ishirô Honda em 1954. Godzilla era uma mistura de dinossauro e dragão criado pela radiação dos testes nucleares americanos no oceano Pacífico. Na verdade Honda se inspirou num filme americano, “O monstro do mar” de 1953, que mostrava um dinossauro descongelado por uma explosão atômica que criava o caos em Nova York.

O primeiro Godzilla era um ator vestido com uma fantasia, mas o filme impressionava pelas maquetes elaboradas de prédios e navios sendo destruídos pelo monstro. O sucesso foi tão grande que a estúdio Toho exigiu que Honda criasse uma toda uma série de filmes do gênero. O segundo filme, “Rodan: O monstro do espaço” chegou aos cinemas em 1956 e já era todo colorido. O monstro agora era um pterodátilo gigantesco que saia da cratera de um vulcão e provocava furacões com o bater de suas asas. A série continuou com “Mothra”, de 1961 sobre uma mariposa gigante, e com “Gidrah: O monstro tricéfalo”, de 1964. Gidrah é um dragão de três cabeças que nasce de um ovo trazido por um meteoro.

O filme que chega os cinemas esta semana é praticamente um remake moderno de “Gidrah: O monstro tricéfalo”. Como no filme de 1964, Godzilla retorna e entra em choque com Gidrah, Mothra e Rodan, o que é péssimo para as cidades que ficam no caminho deles. Nos filmes antigos Godzilla era interpretado por um ator fantasiado chamado Haruo Nakajima, que suava dentro da roupa de borracha dos monstros. Já Rodan e Mothra eram marionetes e Gidrah foi o primeiro monstro japonês a usar a técnica da stop motion.

Agora é tudo feito em computador, o que torna os bichos ainda mais ameaçadores. Na versão moderna existe uma organização internacional, a Monarca, criada para lidar com esse tipo de criaturas, com aeronaves e veículos de alta tecnologia. O filme é uma coprodução EUA/Japão que faz parte de uma série que inclui o “Godzilla”, de 2014, e “Kong: Skull island”, de 2017. O próximo está programado para 2020, será o “Godzila contra King Kong”, que também será um remake de um filme nipônico da década de 1960. O macacão vai ter que tomar anabolizantes, já que King Kong tem uns 20 metros de altura enquanto o Godzilla mede 119 metros da cabeça ao rabo.

As características originais de cada monstro foram mantidas e melhoradas com a computação gráfica. Godzilla e Rodan emitem um fogo radioativo, já Gidrah (Ou Gidorah na versão japonesa) emite “raios” gravitacionais. Gidrah é malvado e gosta de destruir tudo o que encontra pela frente. Já Godzilla e Mothra são do bem e evitam causar danos aos humanos e outros seres sempre que podem.

No filme original Mothra vivia em uma ilha do oceano Pacífico, sendo cultuada como deusa pelos nativos. Originalmente ela era uma lagarta gigante que invade Tóquio depois que criminosos sequestram as duas princesas nativas. Em Tóquio ela vira um casulo e se transforma em mariposa gigante. Na nova versão Mothra já aparece adulta e esta muito mais bonita, com uma bioluminescência que só a computação gráfica pode criar.

O elenco humano inclui a atriz americana Vera Farmiga, a menina Millie Bobby Brown, que fica amiga do Godzilla, e o japonês Ken Watanabe. Afinal filme de monstro japonês sem atores nipônicos é fake.

 

Por: Jorge Luiz Calife


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. Avatar
    A Cratera está em cartaz

    Tem um filme que tá em cartaz há muito tempo:

    A Cratera do Belvedere.

    A história é sobre uma cratera que cada dia causa um transtorno, deixando todos sem água por dias , congestionando trânsito e causando confusão.

    A cratera é obra de um Ricaço e a população, sofre com ela , enquanto os governantes não se importam.

    A cratera até sugou a água do lago e matou todo um ecossistema.

    Gênero do filme: terror

    Duração: meses e meses sem previsão de fim

  2. Avatar

    O Godzilla é mais parecido com uma iguana-marinha que com qualquer outra coisa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document