Grupos se unem pela reabertura da área de lazer do Ressaquinha - Diário do Vale
terça-feira, 28 de setembro de 2021 - 08:19 h

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Grupos se unem pela reabertura da área de lazer do Ressaquinha

Grupos se unem pela reabertura da área de lazer do Ressaquinha

Matéria publicada em 21 de junho de 2017, 17:28 horas

 


Fecha: Reunião ocorreu em frente ao que já foi a entrada para o campo do Ressaquinha

Fecha: Reunião ocorreu em frente ao que já foi a entrada para o campo do Ressaquinha


Volta Redonda – 
Representantes de seis entidades, lideradas pelo MEP (Movimento pela Ética na Política), participaram, na manhã desta quarta-feira, da visita de solidariedade aos moradores do Barreira Cravo, que reivindicam a reabertura do campo do Ressaquinha, bem como da área de lazer do clube.

Antes de ser reintegrada à CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), a área de lazer era utilizada pela comunidade há mais de 30 anos. Durante a visita as entidades decidiram agregar forças à reivindicação da comunidade.

O advogado Bruno Oliveira, que representou a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) na reunião, ficou responsável por marcar novo encontro contando com o apoio de membros da prefeitura e da Câmara Municipal. A expectativa do representante do MEP, José Maria da Silva, é que este encontro aconteça no início de julho.

– Temos pressa, não somente para discutirmos junto com o Poder Público, a questão do Ressaquinha, mas também para debatermos sobre outras áreas pertencentes à CSN que continuam sendo utilizadas pela comunidade – ressaltou Zezinho, citando as entidades presentes ao encontro desta quarta-feira: Comissão Ambiental Sul, Pastoral Operária, Sindicato dos Engenheiros, Associação de Moradores do Barreira Cravo, além do MEP e OAB.

O Ressaquinha conta com um campo de futebol e espaço coberto destinado a eventos. Se analisado o tamanho da área pertencente à CSN, que abrange 780 mil m2, a área utilizada pela comunidade representa apenas 0,08%, desse espaço. Dados do Sindicato dos Engenheiros de Volta Redonda, apontam a existência de 147 áreas, na cidade, que pertencem a empresa.

Entre esses espaços estão Clubes de Lazer, como Umuarama, na Vila Santa Cecília; Náutico, no Aterrado; Aero Clube, no Aero e Clubinho do Laranjal, no bairro Laranjal. O integrante do Sindicato dos Engenheiros, João Thomas, revelou que a entidade teme que, em breve, a CSN, consiga a reintegração de posse dessas terras. De acordo com dados levantados pelo sindicato, 25% da área urbana da cidade, pertence à siderúrgica.

– A nossa comunidade vem perdendo áreas de lazer, reintegradas pela CSN e fechada à população, uma delas, foi a Horta dos Aposentados, um espaço bem cuidado e com uma função social, que foi proibida de ser utilizada pelos idosos – enfatizou o engenheiro. João Thomas, lista outras áreas como, o antigo Clube Paulada, ao lado do Clube Náutico, no Jardim Paraíba, o campo de futebol Versátil, na Siderópolis e o campo de futebol do Rústico, que também voltaram ao domínio da empresa.

A moradora do bairro, Dilma Fernandes, que representa a Associação de Moradores, disse que a comunidade perdeu uma das poucas áreas de confraternização de moradores da localidade. “Era um espaço democrático, onde as famílias se reuniam nos finais de semana”, completou a moradora, mostrando que a área de convivência já está, inclusive, com placa de propriedade particular, fixada pela empresa.

O processo contra o Ressaquinha tramitava na justiça há vários ano e, em abril de 2016, o juiz Andre Aiex já havia determinado o despejo em favor da empresa. Na época, o Ressaquinha recorreu ao Tribunal de Justiça, mas o relator desembargador Ricardo Couto de Castro indeferiu o pedido de efeito suspensivo.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

13 comentários

  1. Faco minhas suas palavras do comentário do zero ali era usado por Cachaceiros e a panelinha do bairro que serviam a comunidade e mentira cobravam para usar um espaço que era da CSN a CSN fez certo em timar de volta oque e dela

  2. Que a CSN pegue tudo de volta o que é dela e pertence a ela povo não tem o que fazer querem tudo no mole vão trabalhar pra conquistar cambada de desocupados

  3. Realmente entendo que vocês estejam revoltados com essa retomada por parte da CSN, mas todos sabiam que essas terras e varios imóveis eram da empresa e como eu , muito de vocês trabalharam na CSN e sabem que ela sempre teve um controle rigoroso com seus Bens e também, com seus funcionários! isso iria acontecer e ainda vão ser retomados vários imóveis que ainda estão em processo na justiça certo?
    Agora tentem sim, conversar com o pessoal da empresa e acredito que vão conseguir entrar em um acordo, MAS CABE UM ALERTA!!!!! Não envolvam Politicos de plantão , desde Vereadores, Prefeitos e Deputados! todos são Oportunistas e não vão ajudarem em nada , apenas atrapalham como um certo deputado Federal que resolveu criticar a Empresa agora, pois estamos próximos de 2018 (eleições) Cuidado! E boa sorte à todos !

  4. Isso é efeito da privatização. Chora na cama que é lugar quente

  5. Toda essa “mobilização” tem interesse Privado. A verdade é que no Ressaquinha se juntam um bando de marmanjo bebendo e deixam suas.mulhers em casa ou a mercê da “sorte”. Vi aqui comentários de que a comunidade usava no local como lazer. MENTIRA. O local era comercializado para festas e eventos. Alguns privilegiados ou que faziam parte da “panelinha” usufruía das boneces do local. Se a área e da CSN que seja retomada e construído shopping e outros atividades para que os moradores possam se beneficiar. Outra coisa é aquela outra ocupação ao lado, Condor, que apesar de estar prestes a ser retomada pelos proprietários estão fazendo edificações aliada ao Ressaquinha. Repúdio políticos e falsas associações e ONGs que estão tentando manipular a população honesta e ordeira dos bairros vizinhos contra a retomada legítima e legal.

  6. “Movimento Ética na Política”? Sei… Então os reaças da “liberdade e propriedade”, “capitalistas” sem capital e outros hipócritas defensores furiosos da “privatização” querem ocupar propriedade privada/privatizada? Quando é sem-terra tentando plantar em latifúndio improdutivo, defendem massacre, né? Pois, como alguém bem sugeriu, cotizem-se e pague o aluguel, caso contrário, borracha no lombo de vcs, invasores…

    • Caro Senhor Santa Hipocrisia.

      Por que tanto ódio??Trata se apenas de uma área de lazer do bairro Barreira Cravo,mais nada…Parece me que tudo foi resolvido hoje. Sou do Santo Agostinho e sempre vou passear lá com meus netos.`Trata se de uma área legal e muita bonita…
      Nada de ódio senhor!!!

  7. Cambada de desocupados… deviam procurar um asilo e ajudar nos cuidados aos idosos em vez de amolarem com essa causa perdida.

  8. É muito fácil resolver isso. Os usuários se cotizam, compram o terreno e fim de papo. DE GRATIS o Benjamim não vai dar mesmo. A CSN foi vendida com o pacote fechado, e na época os políticos que estavam no poder, e também a as entidades ditas chamadas MOVIMENTO POPULAR não se interessaram em ir a Brasilia e negociar o que a CIDADE receberia como compensação. Me lembro muito bem do que eles fizeram ” abraçaram a Usina, Invadiram o Escritório Central, gritaram, espernearam, e deu isso que aí está; Tinham que negociar naquela época.,. Agora INÊS É MORTA. É TUDO DELE.

  9. Amigos do Ressaquinha

    Com calma vcs conseguirão ter o campinho de Volta!!
    Não acredito que o Sr Benjamim dono de imensas quantidades de terra na cidade e no Brasil vai se importar em receber aluguel de uma área de 5000 m2…
    Está área é insignificante para ele e por consequência para CSN.
    Logo a comunidade vai voltar a utilizar esta área de lazer que pertence ao povo brasileiro!!!!

  10. O terreno é privado (tudo bem, doação para Steinbruch) e esses MST com cartão de crédito querem invadir…

    • Kkkk. Gostei … Mst com cartao de credito kkkkkk. Tem um montão no complexo da barreira cravo. Panelinha de velho gordo que não deixava ninguem usar o campo, a não ser os da panela

  11. A Cesar que é de César, tinham que ter pensado nisso na época dá privatização, estavam todos de olho nas ações dá CSN, todos queriam um pedacinho do bolo, agora perderam o cavalo passou areado.ja era.

Untitled Document