sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Juízes defendem aumento no prazo de internação de menores infratores

Juízes defendem aumento no prazo de internação de menores infratores

Matéria publicada em 15 de novembro de 2018, 13:37 horas

 


Rio – Os juízes Sérgio Luiz Ribeiro de Souza (presidente da Coordenadoria de Articulação das Varas da Infância, Juventude e Idoso do TJRJ, Cevij, e do Fórum Nacional da Justiça Protetiva (Fonajup), Daniel Konder, membro do Cevij; e Vanessa Cavalieri, titular da Vara da Infância e da Juventude da capital fluminense, votaram a favor de propostas legislativas que aumentam o prazo de internação para adolescentes infratores.

Eles representaram o Tribunal de Justiça do Estado do Rio, no XXIII Fórum Nacional da Justiça Juvenil, realizado nessa terça-feira, dia 13, em Campo Grande (MS).

A decisão contou com os votos dos juízes que compõem o Fórum Nacional de Justiça Infantil (Fonajuv). Dos 51 projetos de lei relativos ao assunto, que tramitam na Câmara dos Deputados, 48 apresentam reformas para tornar mais rigorosa a punição de adolescentes infratores.

O Fórum Nacional da Justiça Protetiva (Fonajup) apoiou o projeto de lei que propõe que os jovens que tenham cometido alguns tipos de atos infracionais poderão ficar internados em centros de atendimento socioeducativo por até dez anos. Atualmente, o tempo máximo de internação é de três anos.

O texto também prevê uma alteração no Código Penal para agravar a pena do adulto que praticar crimes acompanhado de um menor de 18 anos ou que induzir o menor a cometê-los. Nesses casos, a pena do adulto será de dois a cinco anos, podendo ser dobrada para os casos de crimes hediondos.

Outro ponto proposto prevê que os adolescentes passarão por avaliação a cada seis meses, feita pelo juiz responsável pelo caso. O objetivo é que o magistrado possa analisar e optar por liberar antecipadamente ou não o jovem durante a reclusão. Os internos deverão estudar nos centros de internação até concluir o ensino médio profissionalizante. Atualmente, o Estatuto da Criança e do Adolescente (Eca) prevê que os menores devem concluir somente o ensino fundamental.

O texto prevê também a destinação de 20% do Fundo Penitenciário Nacional (FunPen) ao sistema educativo, determinando que se responsabilize por improbidade administrativa o agente público que descumprir as regras do ECA e a da Lei do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase).


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Não é suficiente, a melhor medida é tratar como bandido comum a partir de 16 anos, e idades inferiores tem que ter internação até completar 18 anos. Assim como também aumentar a pena de bandidos que usam menores para cometer crimes ou aliciar para o uso de drogas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document