sexta-feira, 14 de maio de 2021 - 04:37 h

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Menina torturada pela mãe e a companheira continua internada em CTI

Menina torturada pela mãe e a companheira continua internada em CTI

Matéria publicada em 21 de abril de 2021, 07:54 horas

 


Criança apresentava queimaduras feitas por cigarro

Porto Real e Resende –  A menina, de 6 anos, que segundo investigação policial foi torturada por 48 horas seguidas, continua internada em estado grave no Centro de Tratamento Intensivo de um hospital particular em Resende. De acordo com o delegado titular da 100ª DP (Porto Real), Marcelo Nunes Ribeiro, a tortura teria sido praticada pela mãe, de 27 anos,  e a companheira dela, de 25.  As duas mulheres estão presas.

Ainda de acordo com informações recebidas pela Prefeitura de Porto Real, o quadro da menina permanece inalterado, porém estável. As agressões começaram na sexta-feira, dia 16, e só terminaram na madrugada de segunda-feira (19), quando a menina estava agonizado e chegou a um hospital de Porto Real, desacordada, onde precisou ser intubada. Em seguida foi transferida para o hospital de Resende.

Médicos observaram que a vítima apresentava várias lesões pelo corpo, inclusive neurológicas. Além disso, ela tinha marcas de queimaduras feitas por cigarro, segundo um profissional de saúde que a atendeu no Hospital de Porto Real.  O delegado explicou que as duas mulheres chegaram a privar a menina de se alimentar como forma de castigá-la, por motivo fútil. A jovem de 25 tinha ciúmes da vítima.

A avó materna negou ter se omitido. Segundo a mulher, sua filha disse para ela não se meter. Ainda como forma de tortura, a  vítima foi  jogada em um buraco próximo a casa da família, no Jardim das Acácias, em Porto Real.

Um fio de TV a cabo foi apreendido pelo delegado. O objeto vai servir de prova contras as suspeitas.

– A mãe e a companheira dobravam o fio, para chicotear a criança.  A menina teve sofrimento físico e mental. Tudo era motivo de vítima sofrer maus-tratos. Ela chegou ser espancada por ter bebido leite sem autorização e derramado o líquido no chão – destacou Nunes.

As duas mulheres, que foram indiciadas por crime de tortura, foram transferidas para a Cadeia Pública de Volta Redonda, onde aguardam a audiência de custódia, prevista para ocorrer nesta quarta-feira.  A tortura é um crime considerado hediondo, como o latrocínio  (roubo seguido de morte). Caso condenadas, as duas podem receber uma pena que varia de dois a oito anos de reclusão.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Avatar

    Dois a oito anos de reclusão por torturar uma criança???
    Justiça brasileira!!!

  2. Avatar

    Essa criança já era pra ser tirada do convívio da mãe há muito tempo, porque suponho que já vinha sofrendo maus tratos há tempos. Mas os órgãos civis competentes insistem em deixar com as mães, avós e blá blá blá.
    Já me inscrevi na família acolhedora e no Cadastro Nacional de Adoção. Fiquei durante 4 anos e nunca fui chamado, e olha que não fiz exigência de sexo, de cor, de ser saudável, e nem de idade.
    Adoção e Acolhimento não funciona devido a excessos de burocracia e má vontade.

  3. Avatar

    por 48 anos horas seguidas,??? arruma ai por favor kkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document