quinta-feira, 17 de outubro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Nacional / Ministros defendem Edinho e Mercadante de acusações

Ministros defendem Edinho e Mercadante de acusações

Matéria publicada em 7 de setembro de 2015, 16:52 horas

 


Brasília – Três ministros fizeram nesta segunda-feira (7)  uma defesa dos ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e da Secretaria de Comunicação, Edinho Silva. Após a cerimônia do 7 de Setembro, os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, da Defesa, Jaques Wagner, e das Comunicações, Ricardo Berzoini, disseram que os dois colegas não praticaram nenhum ato ilícito em relação à arrecadação de campanhas eleitorais.

Segundo informações divulgadas pela imprensa, o ministro Teori Zavaski acatou pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para abertura de inquérito sobre os dois. Edinho Silva será investigado porque o dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, disse em delação premiada que fez doações para a campanha da presidenta Dilma Rousseff em troca de benefícios em contratos com a Petrobras. Edinho foi tesoureiro da campanha de reeleição da presidenta.

Cardozo foi enfático e disse que conhece os dois ministros há muitos anos e tem “convicção absoluta” da inocência deles. “Eu tenho absoluta convicção de que Edinho foi absolutamente respeitador da lei e quaisquer afirmações em sentido oposto não condizem com a verdade. A orientação que a presidenta Dilma deu nessa campanha foi de absoluta lisura e de absoluto respeito à lei”, disse Cardozo.

Mercadante também será investigado por causa da delação de Pessoa, que disse ter feito doações não contabilizadas para a campanha ao governo de São Paulo em 2010 do atual ministro da Casa Civil. “Eu conheço o ministro Mercadante há muitos anos e sei do respeito que ele tem em relação à lei, em relação a comportamentos éticos”, disse o ministro da Justiça. Para Cardoso, os dois não podem ser prejulgados e o inquérito vai apenas apurar os fatos.

O ministro Jaques Wagner também defendeu os colegas e disse que não pode haver julgamento precipitado. Wagner disse que não há ainda nenhuma prova contra a honestidade dos dois ministros.

“Na verdade é um processo, tem que se esclarecer tudo. Eventualmene pode ser uma mera citação e aí o procurador geral pediu autorização, o ministro Teori concedeu, simplesmente porque você também não pode inocentar sem ao menos ir olhar o que foi dito. Mas também não tem prejulgamento. Então não tem constrangimento”, afirmou Cardoso.

O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, também lembrou que as contas de campanha da presidenta Dilma Rousseff já foram aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral e disse que não há “preocupação” com a investigação sobre os dois ministros. “Nós achamos que se as investigações são conduzidas da maneira correta, não há nada que se preocupar. As pessoas respondem pelo que fazem e pelo que fizeram. Os dois ministros são pessoas da maior credibilidade, que merecem toda a nossa consideração e respeito”, disse Berzoini.

Edinho Silva também voltou a dizer que não se preocupa com a investigação e está à disposição das autoridades para qualquer esclarecimento. Questionado se pretendia se afastar do governo em razão do inquérito, ele negou e disse que “quem contrata ou demite ministro é a presidenta Dilma”. “Eu não tiro férias em momentos difíceis. Em momentos difíceis eu trabalho mais”, afirmou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document