quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Na TV, Trump defende construção de muro na fronteira com o México

Na TV, Trump defende construção de muro na fronteira com o México

Matéria publicada em 9 de janeiro de 2019, 08:24 horas

 


Segundo ele, há razões “humanitárias” e de “segurança”

Estados Unidos – Em pronunciamento transmitido pelas emissoras de televisão em horário nobre, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apelou para o Congresso norte-americano aprovar a construção do muro na fronteira com o México. O impasse paralisa o país, pois houve a suspensão de financiamento de distintos setores, afetando a rotina do funcionalismo público federal e os serviços.

Trump defendeu a construção do muro cuja base é de ferro como uma questão humanitária e de segurança na fronteira sul. Os democratas afirmam que o presidente norte-americano mantém os Estados Unidos como “reféns”.

Para sustentar suas alegações, Trump mencionou vários casos de crimes atribuídos a “imigrantes ilegais”. De acordo com o presidente, é “imoral” para “políticos não fazer nada” em relação aos dados que apresentou.

Reações

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi (Democratas), disse que Trump deve deixar de manter o país como “refém” com a paralisação parcial do governo. Nancy Pelosi e o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, enfatizaram que apoiam medidas de segurança mais intensa nas fronteiras, mas não a construção do muro, considerado por eles “caro e ineficaz”.

“O símbolo da América deveria ser a Estátua da Liberdade, não uma parede de 30 pés”, disse Schumer. Ele disse que Trump usa o Salão Oval, numa alusão à Casa Branca, para “fabricar uma crise”.

Líderes democratas insistiram para que Trump esqueça a questão do muro por enquanto e faça o governo voltar a funcionar. Os democratas aceitar negociar US $ 1,6 bilhão, mas o custo do muro, segundo estimativas do governo federal, deve chegar a US$ 5,7 bilhões.

Tensões
A fronteira tem sido palco de uma série de incidentes, inclusive com agentes públicos norte-americanos disparando gás lacrimogêneo contra uma multidão de imigrantes no lado mexicano. Duas crianças também morreram na custódia da patrulha de fronteira.

As travessias ilegais caíram para menos de 400 mil no ano passado. Em 2000, o número era de 1,6 milhão. Há atrasos nos processos de asilo e imigração na fronteira. Os críticos afirmam que muitos dos que estão no país ilegalmente sofrem com as dificuldades para legalização.

Cerca de 800 mil servidores federais nos Estados Unidos foram dispensados ​​das atividades ou trabalham sem receber os salários, impactos da paralisia provocada pelo impasse entre o governo republicano e os democratas.

*Com informações da Agência Brasil


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Se os Estados Unidos fossem sempre tão rigorosos com os imigrantes talvez não existisse uma família Trump americana.
    Tráfico de drogas: enquanto existir consumidores existirá o traficante. E os que pagam bem pelas drogas são as classes A e B. Essa clientela vip é a que mais financia as armas, suas munições e os “soldados” do tráfico.

  2. Professor de geografia

    O maluco ,aquele que dá azar escrever ou falar o nome, pedirá um muro na fronteira com a Venezuela e como é um asno também de Cuba Kkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Ser contra o muro é ser a favor de entrar toneladas de drogas todos os anos nos EUA que destroem famílias e geram mais mortes que trânsito e armas juntos. Ser contra o muro é ser a favor de 1/3 das mulheres serem abusadas sexualmente por coiotes nas (perigosas) travessias. Ser contra o muro é ser a favor de “imigrantes” usarem crianças como mero “peões” para sensibilizar e ter êxito, expondo essas crianças a um risco ABSURDO.

    Enfim, são 5,7 bilhões de dólares que podem facilmente ser recuperados somente com o que se economizará em combate a drogas. E não pensem que são miseráveis que tentam cruzar a fronteira, os valores para se ir até o México e pagar coiotes são absurdos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document