quarta-feira, 21 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Olimpíadas especiais reúnem mais de 250 alunos

Olimpíadas especiais reúnem mais de 250 alunos

Matéria publicada em 16 de setembro de 2018, 16:59 horas

 


Evento em Barra Mansa promoveu a integração entre diversas instituições de educação especial na região

Olimpíadas Especiais foram realizadas no Centro Esportivo do UBM (Foto: Chico de Assis)

Barra Mansa – Com uma abertura emocionante, com direito à tocha olímpica e hino nacional entoado pela Banda Sinfônica do projeto Música nas Escolas, Barra Mansa sediou no sábado, dia 15, a Olimpes (Olimpíadas Especiais) no Centro Esportivo do UBM (Centro Universitário de Barra Mansa). O evento marcou o retorno da competição após três anos e foi organizado pela prefeitura, através das secretarias de Juventude, Esporte e Lazer e de Educação, UBM e APAD (Associação de Pais e Amigos dos Deficientes).
Esse ano, a Olimpes contou com a participação das instituições de educação especial que estiveram presentes na primeira edição há 18 anos. Participaram o Cemae (Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado), Associação Pestalozzi de Resende e as APAE’s (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Barra Mansa, Pinheiral e Volta Redonda.

Foram mais de 250 alunos com diferentes deficiências (intelectual, visual, auditiva, física e múltipla) disputando modalidades como lançamento de pelota, caminhada de 25m, corrida de 50m, salto em distância sem corrida, salto em distância com corrida, arremesso, zig zag livre, chute a gol, xadrez, dominó, dama, natação e provas coletivas como voleibol especial, futsal e cabo de guerra. Os jogadores foram acompanhados por profissionais e alunos do curso de Educação Física do UBM. Ao final, todos receberam medalhas de participação, além do pódio que premiou os três primeiros colocados em cada bateria e os troféus de participação das entidades.

O prefeito de Barra Mansa, Rodrigo Drable, e a vice-prefeita, Fátima Lima, acompanharam as competições. Drable destacou o perfil do município para a educação especial.

-Barra Mansa é uma referência na educação especial já há mais de 40 anos, graças ao empenho e pioneirismo da Sônia Coutinho que hoje coordena o Cemae. O retorno da Olimpes é mais uma demonstração do carinho, respeito e atenção com as pessoas deficientes que a nossa cidade sempre prezou – disse.

Para a secretária de Juventude, Esporte e Lazer, Rose Vilela, as Olimpíadas Especiais são ferramentas de inclusão que permitem que o aluno especial tenha a oportunidade de se confraternizar com seus colegas, integrar as instituições e promover o bem-estar.

-Os alunos já vinham treinando há algum tempo para que fizessem bonito durante as partidas. A Olimpes é resultado de políticas públicas de inclusão que beneficiam os alunos especiais garantindo o acesso ao esporte para todos, independentemente das limitações. Esse evento é a consolidação de um trabalho sério – destacou.

Através da lei nº 3.719/2007, de autoria da então vereadora Sônia Coutinho, hoje na coordenação do Cemae, as Olimpíadas Especiais foram criadas oficialmente passando a fazer parte do calendário de atividades do município.

-Eu estou nessa luta por mais inclusão e investimentos na educação especial há quase 50 anos. Lembro que iniciamos as olimpíadas especiais há 18 anos mais ou menos. É com muita alegria que estamos aqui depois de três anos retornando com essa importante atividade. Olho para trás e vejo que nada disso seria possível sem o apoio de pessoas e instituições como o UBM que foram pioneiros comigo nessa luta, além dos pais e profissionais que estão sempre nos apoiando – disse.

Segundo o diretor de Extensão e Educação Continuada do UBM, Luis Fernando Vitorino, a ideia da Olimpes partiu de um desejo da própria comunidade que trabalhava com a educação especial.

-Para o Centro Universitário de Barra Mansa é uma grande honra sediar e ser o fundador dessa competição. Retomamos o evento de uma forma modesta, mas com a participação de mais de 250 alunos, com a certeza de que o ganho com cidadania e melhoria da qualidade de vida é um dos grandes objetivos alcançados – declarou, ressaltando que toda a instituição estava integrada, desde os funcionários até os estudantes dos cursos.

SUPERAÇÃO E SAÚDE

As limitações que a deficiência impõe são barreiras que os atletas especiais superam a cada movimento, salto, chute ou arremesso. Nem mesmo a perda da visão após os 50 anos, foi capaz de parar a dona de casa Aparecida Barbosa. Ela conta que perdeu a visão sete anos atrás, mas apenas há quatro meses começou a frequentar o Cemae e já notou a diferença.

-Muitas atividades que eu fazia antes de perder a visão eu voltei a fazer. Com o esporte, estou mais independente, andando sozinha pela rua e isso tem feito uma grande diferença na minha autoestima – explicou, comemorando as medalhas de participação no arremesso de peso e na caminhada.

As amigas Sueli Cardoso e Rejane Mendonça são deficientes auditivas. Juntas, participaram do arremesso de peso.

-Eu gostei muito das Olimpíadas Especiais, principalmente por rever amigos, estar junto e praticar esportes -disse em Libras, Sueli Cardoso. Max Evangelista, de 29 anos, já está acostumado com os treinos de futsal e foi preparado para vencer. “Eu já treino diariamente nas aulas de Educação Física do Cemae, por isso me sinto preparado”, afirmou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document