quarta-feira, 16 de junho de 2021 - 14:21 h

TEMPO REAL

 

Capa / Pergunte ao candidato / ‘Pergunte ao Candidato’: Professora Isabel Fraga (PSTU) apresenta propostas para Volta Redonda

‘Pergunte ao Candidato’: Professora Isabel Fraga (PSTU) apresenta propostas para Volta Redonda

Matéria publicada em 23 de setembro de 2016, 11:55 horas

 


isabel-pstu-vr-libania-nogueira-34

Foto: Libânia Nogueira

Volta Redonda- A candidata a prefeita em Volta Redonda, Professora Isabel Fraga (PSTU) participou na manhã desta sexta-feira (23) do “Pergunte ao Candidato” na redação do DIÁRIO DO VALE. Isabel primeiramente esclareceu sobre o indeferimento da chapa junto a vice a também professora Mônica Teixeira. As candidatas tiveram problema na documentação e o processo que ainda tramita na Justiça teve parecer favorável à candidatura, que segue normalmente.

Confira o esclarecimento e em seguida a entrevista que foi transcrita para a versão impressa.

Professora Mônica: “Eu sou a professora Mônica Teixeira vice candidata na chapa da também professora Isabel Fraga. Na semana passada, na segunda-feira nossa chapa foi indeferida por um problema de documentação, nós temos o processo que está correndo, nós temos aqui impresso o acompanhamento deste processo onde está claramente resolvida a situação, já tem inclusive um parecer a favor foi só uma questão de documentação, mas já está tudo resolvido. Continuamos na campanha do mesmo jeito desde o dia que foi anunciado que havia deferimento”.

Professora Isabel: “Só para complementar na realidade deixando bem claro para vocês em nenhum momento houve cassação da nossa candidatura. Esse indeferimento foi por algumas horas para que nós apresentássemos o documento que estava com número errado. Então não existe isso, existe muita maldade por aí de várias pessoas e candidatos fazendo questão de espalhar por aí que a minha candidatura e da companheira Mônica foram cassadas, o que não é verdade. A Justiça Eleitoral está claramente no documento que temos, nós somos a única candidatura totalmente feminista de todo o estado do Rio de Janeiro, desde a candidata prefeita, vice prefeita e a nossa vereadora Juliete Dutra e não é a toa que não estamos sofrendo esse tipo de calúnia e perseguição. Nunca fomos cassadas, nossa candidatura é legítima. Estamos aí brigando, lutando por cada um voto que a ente tire desses ricos e desses poderosos vamos fortalecer a nossa classe.

Internauta- Quero saber da candidata qual a sua proposta para a mobilidade urbana?

Professora Isabel – Qual o problema do transporte em Volta Redonda e no Brasil todo, transporte é direito constitucional assim como saúde e educação só que o transporte está nas mãos da iniciativa privada, nós temos meia dúzia de empresas em Volta Redonda que dominam, controlam e que mandam dentro da cidade há mais de 50 anos. A nossa proposta é clara e distinta de todas as propostas dos demais seis candidatos, é a municipalização do transporte coletivo. O que seria isso? Seria o transporte ser oferecido através da empresa municipalizada pela própria prefeitura, motoristas e cobradores seriam servidores públicos acabaríamos com este absurdo de motorista com dupla função. A passagem poderia ser colocada com um preço apenas para poder garantir a manutenção das frotas e não para encher bolso de empresário. Não para dar lucro, mas para atender as necessidades da população que usa o transporte público e dessa forma nós poderíamos estar atendendo de fato o passe livre para os estudantes, desempregados, aposentados atender com qualidade todas as áreas de posse em Volta Redonda, que são quase 200, que não tem de forma alguma um atendimento decente. Outra coisa, as pessoas com necessidades especiais da classe pobre, principalmente da classe explorada porque quando as pessoas têm recurso ela ainda consegue de uma forma ou de outra ver alguma alternativa. Mas também os ônibus por estarem nas mãos dos empresários que bancam as campanhas eleitorais e depois oferecem qualquer coisa para gente e eu posso fazer, pois eu ando de ônibus. Eles não atendem aos direitos das pessoas com necessidades especiais, com a municipalização do transporte coletivo nós poderíamos fazer as mudanças necessárias. Recuperar a malha férrea das mãos da CSN que já serviu há mais de 40 anos para transporte de pessoas e passageiros, ver também a questão das ciclovias, tudo isso nós queremos discutir com os conselhos populares que vão dominar a nossa cidade e vão controlar 100% da verba da prefeitura de Volta Redonda.

Internauta- Existem muitos animais nas ruas e atualmente o Zoonoses está sem recurso para fazer as castrações gratuitas. Quero saber da candidata se ela tem uma proposta para a causa animal?

Professora Isabel – Sem dúvida é uma grande preocupação gostaria de colocar que na minha casa eu, minha filha e meu genro nós temos seis cachorros. E a dificuldade que a gente tem em relação a essa questão de castração, as saúde dos animais ela é muito grande, mas a gente vê muitos animais nas ruas. A gente hoje uma situação gritante das pessoas que vão morar nesse projeto Minha Casa, Minha Vida que estão sendo impedidos pela prefeitura de Volta Redonda de levar seus animais então eles estão soltando os animais em bairros vizinhos porque eles não podem colocar os cachorros dentro dos apartamentos, isso é um absurdo. No nosso governo nós queremos construir uma clínica veterinária que atenda todas as necessidades dos animais das pessoas da classe trabalhadora e aí não vai envolver só a questão da castração gratuita mais a questão da saúde como um todo desses animais. E espaço para isso não falta quer um exemplo, nós temos em Volta Redonda o Escritório Central que não cumpre sua função social isso é inconstitucional, aquilo ali poderia um dos andares está servindo para construir essa clínica pública, não colocar isso nas mãos de empresa privada. Para poder dar dignidade, condições as pessoas de terem realmente animais, muitas pessoas querem ter e não tem porque não tem condições de manter, enfim é absurdo. Agora para isso tem que se enfrentar com os grandes empresários, qual é a candidatura aqui em Volta Redonda que está disposta a ir lá e bater de frente junto com os movimentos sociais, conselhos populares dizer: olha só esse Escritório Central é uma afronta a nossa cidade, está fechado há mais de 20 anos poderia estar servindo para muitas coisas, inclusive uma delas essa questão da clínica. O nosso governo do PSTU junto com os conselhos populares e nós conhecemos lideranças maravilhosas, lideranças de fato que tem peito, que tem coragem que fizeram ocupações na cidade e que tem disposição. E nós vamos governar junto com essas lideranças junto com as mulheres, negros, negras, com juventude excluída da nossa cidade e os estudantes das ocupações que deram uma lição para gente de que eles tomaram as escolas e eles revelaram toda podridão que estava por trás dessa direção, onde o diretor manda e o governo manda. Eles mandaram muito melhor do que uma direção mandando sozinha e o governo mandando sozinho. É com eles que nós vamos governar e enfrentar a CSN e quem for necessário pra gente criar não só essa clínica, mas outros projetos também.

Internauta – A Avenida Almirante Adalberto de Barros Nunes, a Beira Rio, está precisando urgente de revitalização, mais iluminação e segurança. Costumo caminhar à noite e temo ser assaltada, caso seja eleita o que fará para resolver esta questão?

Professora Isabel – Essa questão da Beira Rio, primeiro a gente tem que generalizar mesmo porque não é só na Beira Rio que acontece, isso acontece em todos os lugares, em todos os bairros. É necessário fazer a reestruturação, são necessárias as pessoas se sentirem seguras não só à noite, mas também durante o dia. Porque nós sabemos, é fato concreto que não é só à noite, mas neste período é pior ainda, até quem vai fazer caminhada durante o dia não se sente seguro para isso. Por que isso acontece? Porque estamos vivendo um momento, situação e conjuntura em Volta Redonda, no Brasil em que o aumento da violência está colado com a falta de oportunidades para as pessoas. Oportunidade para as pessoas de estudo e também porque a questão da segurança ela sempre é tratada com repressão. No nosso governo do PSTU junto com os conselhos populares, nós queremos dar condições para as pessoas saírem de casa a hora que elas precisarem, elas terem transporte a noite toda, não só até 00:00 porque aí é segregar. É você pegar a população e assim quem tem carro pode sair o dia que quer a hora que quer. Quem não tem pode sair até 00:00. A violência ela aumenta devido ao desemprego, aqui em Volta Redonda o desemprego está diretamente ligado à CSN e os candidatos não falam. A CSN recebe isenções fiscais do Governo Federal, ela deixa de pagar impostos a essa prefeitura e mesmo assim só esse não colocou mais de 3.500 pessoas nas ruas. E depois as pessoas que vão procurar formas de estar se alto sustentando também são perseguidas e são reprimidas. Nós não temos acordo com isso, nós queremos tratar a situação da segurança da seguinte forma: polícia não é para reprimir trabalhador, a polícia tem que ser para nos proteger. Mas o que acontece hoje a polícia e as forças armadas serve para proteger as forças privadas. Nós defendemos a polícia unificada onde o delegado seja eleito pelo povo trabalhador, pelos conselhos populares, que tenham mandatos revogáveis e outra coisa nós não vamos tratar os jovens infratores colocando eles dentro da cadeia, porque na realidade isso é um problema estrutural. Nós queremos pegar esses jovens e dar a eles estudo, trabalho, humanizar os espaços nos bairros que não são humanizados, não tem direito a nada e muitos acabam indo para o crime por conta dessa realidade dura que não é encarada.

Internauta – O desemprego em Volta Redonda é crescente e maior empresa a CSN fez inúmeras demissões. A senhora pretende dialogar com a CSN?

Professora Isabel – Dialogar nós já dialogamos há muitos anos com os trabalhadores e com os operários da CSN há mais de 20 anos, estamos ali organizando inclusive a oposição sindical metalúrgica em Volta Redonda junto com os operários tanto da CSN quanto das terceirizadas. Com a CSN o diálogo que queremos ter é no sentido de cobrar, não só da CSN como também do Governo Federal, esse governo que está aí hoje colocando um pacote de maldade pra cima da classe trabalhadora e da juventude de Volta Redonda e de todo o país e que dá isenções fiscais para a empresa e ao mesmo tempo não faz uma medida provisória impedindo essas demissões. Outra coisa é a questão dos salários, quando a gente fala a média salarial de Volta Redonda que é de R$ 800 da CSN e se for pegar os trabalhadores das terceirizadas também, quando a gente fala isso lá fora em outras cidades, as pessoas simplesmente não acreditam. Isso jogou também o salário das montadoras, de várias outras empresas lá embaixo na lama, essa é a realidade. Não achamos correto que essa empresa haja como dona dessa cidade, inclusive agora ela está fazendo, além de colocar os trabalhadores na rua, ela não se responsabiliza pro seis mortes que aconteceram só este ano dentro da empresa. Nós estamos com três operários hoje nesse exato momento no hospital que também sofreram acidentes lá dentro. E a empresa segue impune, a Justiça ela não cobra dessas grandes empresas e das instituições o seu papel. Nós temos em Volta Redonda o movimento de luta contra as demissões da CSN e nós queremos que esse movimento faça parte dos conselhos populares que nós queremos governar junto com os conselhos que vão definir controlar toda política da prefeitura, Nós queremos dialogar sim, mas vamos estar sempre ao lado dos operários, e da juventude que está sendo super explorada por essa empresa que manda e que se acovarda aqui nessa cidade diante de tudo.

Internauta – A saúde na região é crítica e os pacientes acabam vindo para Volta Redonda no Hospital São João Batista. Temos dois hospitais São José e Santa Margarida desativados, a senhora tem alguma proposta no sentido de reabrir estes hospitais?

Professora Isabel – A situação do Hospital Santa Margarida e do São José é caso de polícia, tem que ter uma auditoria que investigue profundamente todo o processo que levou a esse fechamento covarde desses dois hospitais. Temos a proposta de fazermos essa auditoria imediatamente nós fazemos a reativação dos hospitais, porém não reativação para colocar a iniciativa privada e nem plano de saúde privado. Nós queremos que esses dois hospitais sejam municipalizados queremos que os médicos que vão trabalhar nos hospitais sejam funcionários públicos concursados. Nós temos uma situação em Volta Redonda gritante que é inadmissível e inconstitucional também, o prefeito não vai preso, o prefeito se quer é citado em relação a isso, que são os trabalhadores da saúde 99,9% infelizmente dos trabalhadores as saúde de Volta Redonda estão sendo submetidos a RPA (Recibo de Pagamento Autônomo), que é um contrato ultra precarizado, que ele dorme numa dia não sabe se vai estar empregado no dia seguinte, não tem direito a nada. Ele sai com uma mão na frente e outra atrás. Precisamos rever tudo isso, precisamos rever também os trabalhadores da Cohab, que trabalhavam inclusive na saúde com 25 anos de trabalho, que foram demitidos sem direito a nada e os trabalhadores da Cruz Vermelha. Sabemos que o contrato era ilegal, mas foram os trabalhadores que pagaram o pato. Nós queremos sim fazer essa auditoria pública, nós vamos municipalizar o Hospital São José e quero colocar também o debate nacional, não adianta, a eleição é municipal, mas não adianta nenhum candidato vir aqui prometer mundos e fundos e se fazer de morto em relação ao sucateamento do SUS (Sistema Único de Saúde) que é um dos mais perfeitos do mundo e foi fruto das mobilizações. O sistema hoje está na UTI nos últimos segundos do segundo tempo do jogo. E nosso projeto é de recuperar o SUS, acabar com as terceirizações dentro do setor da saúde e de todos os setores públicos e aí pra isso é necessário enfrentar esse governo Temer, que está dando continuidade o mesmo projeto neoliberal e privatista da senhora Dilma. Por isso nosso partido diz: é fora Temer, mas não pela volta da Dilma. Não queremos tirar o chicote da mão de um senhor para dar o chicote na mão de outro. Nós queremos arrancar o chicote da mão dos dois senhores e ficar com o chicote na nossa mão e sermos os donos do nosso próprio destino.

Internauta – Quero saber da candidata quais as suas propostas para os funcionários públicos?

Professora Isabel – Vou pedir licença para quem fez a pergunta vou responder, mas eu também quero tocar na questão do Volta Grande IV pra nós é um dos problemas mais graves e que mais nos tocam aqui em Volta Redonda. O bairro Volta Grande IV já foi comprovado cientificamente, juridicamente que está sujeito há 19 tipos de câncer malignos, já foi determinado pela Justiça em última instância, não cabem mais recursos que a CSN ela tem que reconstruir as casas e indenizar as famílias. Nós queremos denunciar que o senhor Baltazar na época da construção do Volta Grande IV, o companheiro Tarcísio Xavier, o nosso advogado ele denunciou no Ministério Público, antes da construção do bairro que não poderia ser construído o bairro ali naquele terreno contaminado. E nós temos muita preocupação com isso, nós queremos fazer um movimento aqui com os movimentos populares pra forçar a CSN e todos os órgãos que são responsáveis pela reconstrução das casas, indenização do pessoal do Volta Grande IV. Nós não descartamos nenhuma possibilidade, sabemos que o Escritório Central tem muitas propostas para que se torne universidade, hospital e tudo mais. Mas também não descartamos a possibilidade de o escritório também ser ocupado pelos moradores do bairro pra poder forçar essa empresa covarde a cumprir o seu papel, porque ela não está nem aí para as pessoas que estão morrendo lá. Sobre as propostas para o funcionalismo público, primeira coisa PCCS (Plano de Cargos, Carreira e Salários) já, isso é lei, é constitucional, é importante. Todos os outros candidatos que disputam à prefeitura de Volta Redonda está há mais de 20, 30 anos no poder e todos eles se omitiram em relação ao PCCS, inclusive quando nós fomos lutar pelo nosso PCCS há pouco tempo atrás na Câmara Municipal, América Tereza deu a ordem para a Guarda Municipal nos retirar lá de dentro. O guarda se recusou e foi demitido, então é PCCS unificado, mas não baseado em meritocracia nem em produtividade. Queremos um PCCS que seja pautado no tempo de trabalho e na formação e queremos dar formação dentro da carga horária. Agora não dá pra poder falar de tudo, mas uma coisa eu preciso dizer as auxiliares de creches na educação estão submetidas a trabalho escravo, nós queremos a redução imediata da carga horária delas para 30 horas já.

Internauta – Quais serão as prioridades do governo da professora Isabel?

Professora Isabel – A nossa prioridade é colocar a cidade de fato nas mãos da classe trabalhadora, nunca aconteceu isso na história. Todas as eleições é um jogo de cartas marcadas, onde quem ganha às eleições são aqueles que são financiados pelos poderosos e é por isso que eles comandam, mandam e depois eles falam que vão governar pra todos e acabam dando a governança aos poderosos. Nós queremos em primeiro lugar formar os conselhos populares que vão ser os movimentos sociais organizados de mulheres, de negros e negras, da juventude, de operários, das oposições de sindicato e associações de moradores, do pessoal que eu tenho um profundo respeito e admiração da luta e posse pela moradia que são muitos guerreiros. Queremos formar os conselhos populares e governar a cidade junto, agora é claro que a gente tem algumas prioridades, por exemplo, sou professora e minha vice e nossa candidata a vereadora também é professora, militamos muito na área da educação e dos operários. Teremos olhar prioritário pela educação, saúde e a questão dos operários, agora queremos deixar claro que a nossa prioridade das prioridades é governar de fato para os negros e negras, para os LGBTs, que não são minoria é mentira, eles são uma parcela gigante da classe trabalhadora que está nos piores postos de trabalho, aos estudantes, nós queremos a juventude que é tratada como bandidos nas periferias. Nós queremos mudar essa lógica, esse papo de governar pra todos que foi a história que o PT fez, essa grande mancha que fez muita gente desacreditar na política foi porque o PT disse o seguinte, nós vamos fazer um governo para todos como o PSOL também hoje fala. Não é possível acender uma vela para Deus e outra para o Diabo, você tem que escolher um lado, você tem que dizer claramente de que lado está pra quem você vai governar. Nós vamos governar para a classe trabalhadora.

Internauta – Como professora a senhora conhece os problemas da educação. Quero saber quais as mudanças que a candidata fará nas escolas?

Professora Isabel – Uma questão eu já coloquei que é o PCCS, outra questão que é gritante na nossa cidade que é uma mentira descarada desse atual governo e daqueles que estão sendo apoiados pelo atual governo nessa campanha, que 100% das crianças de Volta Redonda têm creche, mentira. Só existe uma creche funcionando em Volta Redonda com horário integral e mesmo assim é incompatível com o horário de trabalho das mães. PCCS, creches em horário integral, inclusive à noite porque tem mãe que trabalha a noite e precisam ser assistidos e atendidos, agora não com trabalho escravo das auxiliares, alias nem deveriam existir auxiliares, elas deveriam ser professoras, o governo fez isso para poder rebaixar as condições de vida e trabalho dessas auxiliares. Outra questão também nós vemos as escolas como elefantes brancos vejam bem todos os bairros têm escolas, em todos os bairros das periferias a juventude não tem alternativa de lazer, inclusive até as rodas de rima, as atividades culturais que elas estão querendo fomentar e proibidas de fazer. As escolas elas deveriam funcionar como verdadeiros centros culturais, onde as pessoas pudessem desenvolver suas habilidades não só os estudantes, mas a comunidade. Queremos as escolas de portas abertas, outra coisa, vamos romper com a lei de responsabilidade fiscal, nenhum outro candidato fala isso porque todos os candidatos vêm na maior cara de pau dizer com projetos mirabolantes. A gora existe uma lei federal que diz que o governo municipal só pode gastar tantos por cento com educação, mas a constituição diz que os nossos direitos tem que ser garantidos. Vamos criar a lei de responsabilidade social para poder dar salário digno para quem trabalha na educação, dar estrutura digna, pois as escolas hoje mal têm os materiais básicos para poder funcionar. E isso vai se refletir para as mães e alunos. Tem que enfrentar o Governo Federal junto com os movimentos sociais e conselhos populares.

Internauta – Sou jovem e sinto falta de atividades e investimentos em cultura. Em seu governo terá espaço para a cultura e manifestações culturais?

Professora Isabel – Eu fico pasma quando vejo a forma como a juventude e os artistas e as pessoas que são envolvidas com a cultura aqui em Volta Redonda são tratadas. Alguns são tratados como bandidos, os artistas de rua, por exemplo, seja da cidade ou de outro lugar que vem para poder tentar o seu pão de cada dia nas ruas, eles são perseguidos como bandidos, eles são presos, muitos saíram algemados dos semáforos onde fazem sua apresentação. Não vamos ter tolerância com isso, vamos mudar isso completamente. Outra coisa não é só as rodas de rima, o próprio hip hop, e outras tem que garantir espaço público dentro das escolas pode se ter sim, inclusive fica mais seguro. Que dentro dos pátios das escolas sejam realizados e o que a comunidade quer se não for o rap que seja a modalidade que a comunidade quer. A questão dos artesãos eu tenho tido contato com eles, não só agora na época de eleição, os artesãos também são perseguidos, pela constituição eles são considerados artistas e tem o direito de exporem o seu trabalho em qualquer lugar desde que ele não esteja atrapalhando o trânsito. Queremos que os artesãos têm o seu direito garantido. Tem outra questão também que muito nos incomoda que são os ambulantes porque tem pessoas quem fazem coisas manuais pra poder vender e sai de bicicleta e a pé, essas pessoas também são perseguidas, elas não têm uma alternativa de sobrevivência. A CSN bota milhares nas ruas, nós temos aí em função disso, centenas de lojas fechadas em Volta Redonda, não se tem uma política de facilitar as pessoas estar se desenvolvendo nessa área e você ainda tem uma secretaria de Cultura que nós conseguimos colocar na última gestão o secretário para fora, que está também nas mãos dos poderosos hoje.

Internauta – Quero saber da candidata se ela fará um governo aberto e disposto a ouvir a população?

Professora Isabel – Ao longo da entrevista isso ficou bem claro, o nosso governo vai ser totalmente aberto para justamente a classe trabalhadora, através dos conselhos populares. Os conselhos eles vão eleger os secretários e vão destituir se esses secretários não estiverem agindo de acordo com os interesses da classe trabalhadora. Nós propomos que o salário da prefeita, dos secretários, dos vereadores seja um salário compatível a de um operário qualificado ou de uma professora. Não pode ter privilégio você não pode passar uma vida social completamente diferente e distinta da classe trabalhadora. Eleição é um jogo de cartas marcadas sim, mas cada voto que a gente tira dessa burguesia a gente enfraquece o projeto dos poderosos e a gente fortalece o nosso projeto. Queremos denunciar que hoje estão sendo colocadas várias PECs com medidas provisórias como a PEC 241, APL 257 que são os maiores ataques da história da classe trabalhadora e se iniciaram desde o governo do FHC, Lula, Dilma e agora o Temer tá vindo com bastante força pra cima para poder implementar que retirem direitos históricos relega a classe trabalhadora a total, praticamente a escravidão como o fim da aposentadoria. Nós queremos fazer um governo aberto e disposto a ouvir a população da classe trabalhadora, que nunca foi ouvida que sempre a única coisa que os ricos querem delas é só o voto e nada mais, depois viram as costas manda a polícia prender e bater. E queremos dizer ainda todos vocês que estão insatisfeitos com toda essa podridão quem vem nesse sistema capitalista, que aqui no Brasil se traduz nessa total baderna que acontece hoje, a alternativa é o projeto do PSTU são as candidaturas de luta.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. ESTOU COM SAMUCA SILVA #43.

  2. Ela disse uma mentira aí não existe nenhuma decisão judicial sobre a Volta Grande IV, nem em primeira instância, quanto mais decisão final em que não cabe recurso, o processo está praticamente parado, vejam no site http://www.tjrj.jus.br processo nº 0023334-40.2012.8.19.0066

  3. joao batista de freitas

    isabel fraga uma pessoa muito sincera, humilde , de grandes qualidades e tenho certeza q vai representar nossa cidade muito bem
    estamos juntos isabel fraga
    volta redonda no caminho certo isabel fraga

  4. Eu só li metade, e já li muito. Promessas vazias e sem embasamento, seja teórico ou prático… Quer ir na contramão da história e municipalizar o serviço de transporte público, que já o foi no passado em várias cidades do Brasil e deixou de ser em praticamente todas, devido ao sucateamento, falta de investimento e de comprometimento dos funcionários… Quer colocar ônibus dentro das 200 áreas de posse, sendo que a maioria delas são núcleos pequenos encravados nos bairros, situadas em encostas onde só se chega a pé, por meio de escadas e servidões… Quer municipalizar dois hospitais privados, que possuem um passivo (dívidas com credores) enorme, mas não diz de onde tirará dinheiro para mantê-los. Já está difícil custear os dois atuais… Quer que a CSN pague melhores salários, mas não teria poderes para tanto, nem se fosse presidente! Esquece-se que o Brasil é uma economia capitalista de livre mercado…

    Enfim, a candidatura vale como alternativa democrática, mas as propostas não são factíveis para um chefe de executivo municipal, fogem muito à sua alçada. Ela deve estar querendo ser a Dilma de VR, mas se esquece que um prefeito não tem sequer uma fração do poder que tem um presidente para implantar as mudanças que ela deseja…

Untitled Document