quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Polícia Civil realiza nova ação contra agência de carros em Volta Redonda

Polícia Civil realiza nova ação contra agência de carros em Volta Redonda

Matéria publicada em 11 de dezembro de 2019, 08:58 horas

 


Operação denominada “Gangster” ocorre após liberação de suspeitos presos na primeira fase

Volta Redonda – Policiais civis da 93ª DP, coordenados pelo delegado titular Wellington Vieira, realizaram nesta quarta-feira (11) a segunda fase da Operação Gangsts, em Volta Redonda. A operação visou desarticular uma associação criminosa que pratica crime de estelionato na venda de financiamentos de automóveis. Foi apreendido um carro roubado.

Os agentes cumpriram mandados de busca e apreensão em várias agências. Um dos estabelecimentos foi  agência de veículos Primus, na Vila Mury. Segundo o delegado, o local é comandado por “laranja”, mas os dois proprietários já respondem na Justiça por estelionato, envolvendo vendas de veículos.

– Os dois comerciantes foram os alvos da operação desta quarta-feira. Eles já foram denunciados por diversas vítimas. Eu acredito que existam outras vítimas, que devem comparecer à 93ª DP (Volta Redonda) para denunciar os criminosos. Já que no caso, eles forem condenados, essas pessoas que foram lesadas, serão ressarcidas – explicou Wellington.

Na agência Primus e nos outros locais, onde os mandados foram cumpridos, foram apreendidos veículos suspeitos de adulteração. Uma deles foi  um Fusion, cuja procedência será apurada. O veículo vai ser periciado.

Também foram apreendidos documentos, sinistros entre outros objetos.

1ª Fase da Operação

A primeira fase da Operação Gangests foi realizada em outubro desde ano. Na ocasião, foram expedidos nove mandados de prisão preventiva, mais 11 mandados de busca e apreensão, além do sequestro de diversos automóveis e bloqueio de contas bancárias dos indiciados, que chegam a um patamar de R$ 7 milhões.

A investida envolveu 30 policiais civis, inclusive de outras delegacias, é decorrente de investigação da delegacia de Volta Redonda e do laboratório de Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil do estado do Rio de Janeiro, que apurou o movimento da organização criminosa com estelionatários em financiamentos de automóveis.

A denúncia

 Segundo a denúncia, os crimes eram cometidos da seguinte maneira: os líderes da organização criminosa eram donos de agências de automóveis, porém essas agências não eram credenciadas para realizar financiamento. O segundo escalão da organização, denominados “agentes”, eram revendedores autônomos de automóveis e vendedores de lojas, que captavam documentos de vítimas.

Os documentos eram obtidos de várias maneiras. Em uma delas, o cliente saía das agências para realizar o test drive no veículo, deixando cópias dos documentos pessoais, que eram utilizados pelos criminosos. Outra estratégia da quadrilha era utilizar documentos de pessoas que ficavam aguardando a liberação de crédito para compra do veículo. Até mesmo dados das vítimas que compravam o veículo eram utilizados no esquema criminoso.

Uma vez que estivessem de posse dos documentos das vítimas, a quadrilha montava “fichas” que eram repassadas às financeiras, através de uma agência de veículos devidamente cadastrada junto aos bancos. O valor solicitado era, em caso de aprovação do crédito, depositado nas contas das agência de automóveis.

Investigações da polícia revelam, por exemplo, que uma Land Rover, orçada em mais de R$ 90 mil,  foi financiada em nome de uma pessoa que já está morta. Outra Land Rover foi financiada em nome de um deficiente mental, que sequer tem condições de assinar o próprio nome.

Após as fraudes, criminosos chegavam a pagar as primeiras parcelas para não levantar suspeitas e quando percebiam que a fraude poderia ser descoberta, quitavam a dívida, muitas vezes com dinheiro oriundo de outras fraudes. O líder da organização criminosa movimentou mais de R$ 7 milhões durante o período das investigações.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

10 comentários

  1. Avatar

    SE eu encontrar esse jardel bartolini na rua, eu vou dar muito na cara dele, pra aprender a não ser tão pilantra como ele é, e vou fazer de tudo pra encontrar com ele. Lesou as pessoas, agora ele será lesado a bordoada.

  2. Avatar

    Infelizmente, existem muitas revendas de carros em VR comercializando verdadeiras tripas… Vendem carros provenientes de leilão, com chassi remarcado, clonados, com parte mecânica e elétrica maquiadas para quebrar na mão do futuro comprador e se recusam a oferecer garantia quando o cliente retorna com o veículo apresentado defeito e outras maselas mais… E uma prática não ilegal mas lesiva, são os preços estorcivos, onde na avaliação de seu veículo para troca ele não vale nada mas o da revenda custa o mesmo que um zero quilômetro!! Estes espertos sobrevivem pois há muitos pra caírem no conto do vendedor do carro “filé”!! Sai fora que é treta!!

  3. Avatar

    Ja soltaram os sete bandidos? Realmente o crime vale a pena, lesou centenas de pessoas e estão soltos, que absurdo.

  4. Avatar

    Tudo cidadão-de-bem

  5. Avatar

    Quase q eu comprei um carro nessa agência, só ñ finalizei a compra pq eu ñ tinha dinheiro

  6. Avatar

    Esse judiciário e seus juizecos são a vergonha do Brasil. Precisamos acabar com essa corrupçao.
    FFAA
    AI5

    • Avatar
      juanito el caminhador

      A começar pelo ministro da justiSSa, aquele que não encontra nem o queiroz
      Quanto ao AI-5 voce pode enfiar no traseiro da vossa progenitora

Untitled Document