sexta-feira, 15 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / Dois suspeitos de integrar quadrilha que fraudava financiamentos de veículos são procurados

Dois suspeitos de integrar quadrilha que fraudava financiamentos de veículos são procurados

Matéria publicada em 17 de outubro de 2019, 09:11 horas

 


Eles já são considerados foragidos da Justiça

Volta Redonda- Policiais da 93ª DP (Volta Redonda) tentam localizar e prender Fábio Gomes Pacheco e Diego Eduardo Neves. Os dois são suspeitos de integrar uma organização criminosa especializada em fraudar financiamento de veículos e fazer lavagem de dinheiro. Segundo o delegado titular Wellington Vieira, eles já são considerados foragidos da Justiça.

Outros sete suspeitos foram presos na Operação Gângsters I, realizada quarta-feira (16),  em Volta Redonda. Na ocasião, sete pessoas foram presas, entre elas:  Jardel Bartolini de Faria Resende, considerado pela polícia um dos  lideres da quadrilha.

O ex-operador de uma instituição financeira, foi preso numa casa no bairro Jardim Amália. Segundo a Polícia Civil, Jardel já foi proprietário de uma agência e, atualmente, seria um digital influencer.

O delegado disse que Jardel tinha conhecimento dos trâmites na aprovação de crédito e pagamento de financiamento de automóveis. Também foram presos: o irmão de Jardel, Jordã Bartolini de Faria Resende; Bruno da Silva Peres; Marcelo de Carvalho Oliveira; Adriano Moura Porto;  Augusto Cesar Ribeiro Lemos e Natan Silva de Assis.  Eles foram indiciados por organização criminosa, estelionatos e lavagem de dinheiro. As penas podem ser de até 60 anos.

Wellington disse que os sete suspeitos serão transferidos para a Cadeia Pública de Volta Redonda (antiga Casa de Custódia), no bairro Roma.

Além das prisões, duas agências de veículos localizadas  nos bairros Aterrado e Vila Santa Cecília foram investigadas durante a apuração das denúncias. Policiais civis apreenderam 55 carros, que serão periciados.  Um dos veículos fraudados  estava com um polícia militar, que sabia da restrição.

Durante a operação foram expedidos nove mandados de prisão e 11 de busca e apreensão. Sete foram cumpridos pela Polícia Civil. Os outros dois são os foragidos que estão sendo procurados.

– As investidas contra essa organização criminosa vão continuar. Os dois foragidos, não adianta se esconderem. A Polícia Civil vai encontrá-los onde quer que estejam e quem ajudá-los estará praticando um crime de favorecimento- disse Wellington.

Entenda o esquema criminoso

Os crimes eram cometidos da seguinte maneira: os líderes da organização criminosa eram donos de agências de automóveis, porém essas agências não eram credenciadas para realizar financiamento. O segundo escalão da organização, denominados “agentes”, eram revendedores autônomos de automóveis e vendedores de lojas, que captavam documentos de vítimas.

Os documentos eram obtidos de várias maneiras. Em uma delas, o cliente saía das agências para realizar o test drive no veículo, deixando cópias dos documentos pessoais, que eram utilizados pelos criminosos. Outra estratégia da quadrilha era utilizar documentos de pessoas que ficavam aguardando a liberação de crédito para compra do veículo. Até mesmo dados das vítimas que compravam o veículo eram utilizados no esquema criminoso.

Uma vez que estivessem de posse dos documentos das vítimas, a quadrilha montava “fichas” que eram repassadas às financeiras, através de uma agência de veículos devidamente cadastrada junto aos bancos. O valor solicitado era, em caso de aprovação do crédito, depositado nas contas das agência de automóveis.

Investigações da polícia revelam, por exemplo, que uma Land Rover, orçada em mais de R$ 90 mil,  foi financiada em nome de uma pessoa que já está morta. Outra Land Rover foi financiada em nome de um deficiente mental, que sequer tem condições de assinar o próprio nome.

Após as fraudes, criminosos chegavam a pagar as primeiras parcelas para não levantar suspeitas e quando percebiam que a fraude poderia ser descoberta, quitavam a dívida, muitas vezes com dinheiro oriundo de outras fraudes. O líder da organização criminosa movimentou mais de R$ 7 milhões durante o período das investigações.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

11 comentários

  1. Avatar

    Ok vc está certa. Não vamos atirar pedras , apenas queremos que ele seja julgado e se condenado cumpra os anos de cadeia conforme a lei.

  2. Avatar

    agora a corda esticou vereador dinho ne assessor de vereador envolvido sera que o rodrigo furtado ta nessa .vai saber ahhhhhhhhh vereador

  3. Avatar

    Não esqueça que o teto de todos é de vidro ok dona Suzana? Hipócrita
    🙂

  4. Avatar

    quem nunca errou nesse mundo que atire a primeira pedra

  5. Avatar

    Olhem quantos são os amiguinhos desse Jardel, deem uma olhada la no facebook dele. Vejam como ilude as pessoas, o quanto as pessoas caem numa labia, é so falar bonito, boas roupas, carros, mas esta ai a verdade sobre esse meliante. que fique bons anos guardado, tanto ele quanto sua tropinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document