;
terça-feira, 24 de novembro de 2020 - 11:51 h

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Prefeitos da região cobram agilidade para resolução de problemas no Hospital Regional

Prefeitos da região cobram agilidade para resolução de problemas no Hospital Regional

Matéria publicada em 25 de junho de 2020, 08:01 horas

 


Volta Redonda – Prefeitos de toda a região, reunidos pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paraíba, cobraram do governo do estado uma rápida resolução dos problemas enfrentados pelo Hospital Regional. No último fim de semana, a unidade parou de receber pacientes com a Covid-19, depois de ter sido transformado em uma unidade de referência para tratar a doença no estado.

“Os municípios reunidos através deste consórcio vem solicitar providências urgentes para a retomada dos serviços de saúde prestados pelo Hospital Regional para garantir o atendimento de pacientes contaminados pelo coronavírus e, por sua vez, evitar mais óbitos durante essa crise pandêmica”, diz a carta, assinada pelo presidente do consórcio, Ednardo Barbosa, prefeito de Pinheiral.

A cobrança foi feita através de uma carta, endereçada ao novo Secretário Estadual de Saúde, Alex da Silva Busquet, que assumiu o cargo esta semana. Ele é o terceiro secretário a assumir a pasta em meio a pandemia. No documento, ao qual o Diário do Vale teve acesso, o Cismepa aponta que 30% das vagas do hospital eram ocupadas por pacientes da região. Outros 70% vieram da capital e da baixada.

Além disso, o consórcio também destaca que a Organização Social Associação de Proteção à Maternidade e Infância de Matuípe teria confirmado que está há três meses sem receber repasses do estado, o que ocasionou a paralisação dos atendimentos.

Os repasses teriam sido interrompidos depois que o Tribunal de Contas do Estado encontrou irregularidades no contrato fechado entre o estado e a OS. Com isso, foi determinado a paralisação dos pagamentos. No entanto, nesta semana o Ministério Público do Estado do Rio expediu recomendação para que o estado regularize a situação.

A interrupção dos serviços no Hospital Regional provocou inchaço da rede pública de saúde em diversas cidades da região, tendo efeito ainda mais negativo nos municípios pequenos. No entanto, mesmo a maior cidade da região, sente o golpe. Volta Redonda terá de fechar o comércio e teve alta significativa no número de internados nos hospitais públicos.

Histórico do Hospital

Na carta, o Cismepa aponta que o Hospital Regional foi construído e pensado para desafogar a rede de saúde do Médio Paraíba, bem como para oferecer especialidades médicas que antes só eram encontradas em outros centros.

A carta destaca especialmente o papel que a prefeitura de Volta Redonda teve na época da construção.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Avatar

    Comparando com janeiro dessa ano, em Volta Redonda são 2 mortes a mais em média por dia nesse mês de junho, até a data de hoje. Eram 6 a 7 mortos, o que dá um acréscimo de 30%. Ainda faltando 5 dias de junho isso já dá 50 mortos além do normal.
    Se maio teve, por baixo, 1 óbito a mais do que janeiro, o acréscimo é de 81 só nesses 2 meses. E ainda falta considerar o mês de abril.
    Resumindo, mesmo não sendo todos vítimas fatais da Covid-19, tem alguma coisa séria acontecendo na Cidade do Aço.

  2. Avatar

    Como tudo que acontece nesse estado, isso é mais uma vergonha.
    Colocaram em local errado, o certo era a Região Leste de Barra Mansa,
    de fácil acesso para a população, mas a politica do Sr. Neto, que TUDO PARA VR,
    tomou conta da obra e praticamente tornou um hospital de VR.
    Agora aguenta !!!!!

  3. Avatar

    Cadê o dep federal eleito pela da região que andava por ai tirando fotos, fazendo reuniões e nomeando direção no hospital?

    Agora Sumiu né!

Untitled Document