;
sábado, 28 de novembro de 2020 - 01:43 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Prêmio de Direitos Humanos abre inscrições na segunda-feira

Prêmio de Direitos Humanos abre inscrições na segunda-feira

Matéria publicada em 2 de junho de 2019, 08:30 horas

 


Rio- A Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro abre nesta segunda-feira (3) as inscrições na 8ª edição do Prêmio Amaerj Patrícia Acioli de Direitos Humanos.
Premiação nacional, o Amaerj Patrícia Acioli de Direitos Humanos é dividido em quatro categorias: Reportagens Jornalísticas, Trabalhos dos Magistrados, Práticas Humanísticas e Trabalhos Acadêmicos.
As inscrições estarão abertas de 3 de junho a 12 de agosto pelo site www.amaerj.org.br/premio. Um júri integrado por especialistas de destaque nas quatro áreas selecionará os trabalhos premiados.
A cerimônia de lançamento do Prêmio acontecerá no auditório da Amaerj (Rua Dom Manuel, 29/1º andar, Centro do Rio de Janeiro), em 5 de agosto, às 18h.
Haverá cinco finalistas por categoria. O primeiro lugar de cada uma delas ganhará R$ 15 mil; o segundo, R$ 10 mil; o terceiro, R$ 5 mil. Os três primeiros colocados receberão troféus. Os demais finalistas serão homenageados com Menções Honrosas. Na categoria Trabalhos dos Magistrados, os três primeiros colocados receberão troféus.
A cerimônia de premiação acontecerá em 21 de outubro no Tribunal Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ).
O prêmio tem patrocínio da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Multiplan e Associação dos Notários e Registradores do Brasil-RJ (Anoreg-RJ). O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) e a Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (EMERJ) apoiam a premiação.
Histórico da premiação
Criado em 2012, o prêmio celebra a memória da juíza Patrícia Acioli, que já trabalhou na Comarca de Volta Redonda na década de 90. Titular da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, ela foi morta em 2011, em Niterói, por policiais militares.
-A coragem de Patrícia Acioli não será esquecida. Esta é uma homenagem a uma campeã dos direitos humanos que, em nome da Justiça, lutou para defender os direitos dos mais excluídos – afirma Renata Gil, presidente da Amaerj.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document