;
sexta-feira, 27 de novembro de 2020 - 08:15 h

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Presidente da Colômbia confirma 112 mortes por cheia de rios

Presidente da Colômbia confirma 112 mortes por cheia de rios

Matéria publicada em 1 de abril de 2017, 17:52 horas

 


Integrantes do Exército da Colômbia ajudam moradores de Mocoa após avalanche que deixou 112 mortos no município, segundo informou o presidente Juan Manuel Santos (Foto: Exército da Colômbia/EFE)

Integrantes do Exército da Colômbia ajudam moradores de Mocoa após avalanche que deixou 112 mortos no município, segundo informou o presidente Juan Manuel Santos (Foto: Exército da Colômbia/EFE)

Bogotá – O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, confirmou neste sábado (1º) que pelo menos 112 pessoas morreram em uma avalanche de água e pedras causada pelo transbordamento de três rios, que arrasou vários bairros da cidade de Mocoa, capital do departamento de Putumayo, no sul do país. A informação é da Agência EFE.

“Acabam de reportar que estamos em 112 (mortos). Não sabemos quantos serão, seguimos buscando e a primeira coisa que quero dizer é que meu coração e o de todos os colombianos estão com as vítimas desta tragédia”, disse Santos aos jornalistas ao chegar a Mocoa.

A tragédia ocorreu na noite desta sexta-feira (31), após uma forte chuva aumentar o nível dos rios Mocoa, Sangoyaco e Mulatos, que transbordaram e provocaram uma avalanche de água e pedras que levou tudo o que encontrou pelo caminho.

Ao ser informado, Santos viajou a Mocoa para supervisionar os trabalhos de resgate que estão a cargo das unidades militares na região.

O presidente explicou que a primeira notícia que teve da tragédia foi de madrugada, quando foi avisado pelo diretor-geral da União Nacional para a Gestão do Risco de Desastres (UNGRD), Carlos Ivan Márquez.

O número de mortos cresceu progressivamente ao longo da manhã. O governante comentou que “30% da chuva de um mês aconteceu ontem à noite e isso gerou um repentino aumento de vários rios”, o que produziu as avalanches.

Devido à dimensão da tragédia, os serviços de emergência do principal hospital da cidade (de aproximadamente 45 mil habitantes) colapsaram pela quantidade de feridos, segundo detalhou o comandante da Brigada 27 do Exército, general Adolfo Hernández.

O oficial detalhou que também “estão sendo feitos esforços de busca no setor de Puerto Limón, onde apareceram alguns corpos”.

Sobre a situação em Mocoa, cidade situada no meio da floresta da região amazônica que só se comunica com o restante do país por via aérea e por uma precária estrada, o militar afirmou que já começaram a chegar auxílios, apesar das dificuldades de acesso.

Calamidade

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou que declarará o estado de calamidade na cidade de Mocoa. “Vamos fazer um plano de ação com o médico Carlos Ivan Márquez, com o governo e todas as instituições que estão aqui presentes”, disse Santos ao chegar a Mocoa para ver a situação pessoalmente.

Com a declaração do estado de calamidade será possível “atender da melhor forma possível esta situação”, declarou Santos. “Vamos fazer um plano de ação e iniciar todo o processo de ajuda humanitária, vamos atender os feridos, iniciar todo o processo fúnebre para atender a todas as pessoas falecidas e vamos também começar a restabelecer os serviços que foram suspensos”, destacou Santos.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document