>
quinta-feira, 7 de julho de 2022 - 05:19 h

TEMPO REAL

 

Capa / Saúde / Programa de cuidados e identificação do AVC passa a funcionar nas UPAS do RJ

Programa de cuidados e identificação do AVC passa a funcionar nas UPAS do RJ

Matéria publicada em 9 de junho de 2021, 09:08 horas

 


Rio – A Secretaria de Estado de Saúde (SES)  vai implantar um programa de identificação e cuidados de acidente vascular cerebral (AVC) nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) do estado. Nos moldes do programa de identificação de infarto agudo do miocárdio (IAM), o projeto visa orientar e criar diretrizes para que os profissionais dessas unidades consigam identificar rapidamente o AVC, reduzindo mortalidade e sequelas. Com base nos protocolos, os médicos deverão encaminhar os pacientes para hospitais referenciados, onde eles possam realizar tomografia em até quatro horas e meia do início dos sintomas.

– Estamos em um processo de municipalização das UPAs, com apoio do estado. Nessa passagem para a gestão municipal, vamos implantar a obrigatoriedade dos municípios manterem os protocolos de cuidados de AVC e infarto. Hoje, o AVC é a principal causa de internação no estado e representa de 30% a 40% dos atendimentos em emergências . Queremos garantir que esses pacientes tenham acesso a um tratamento – destacou o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe.

O tema foi debatido, na manhã desta terça-feira (08.06), por um grupo de trabalho que reúne técnicos da SES e representantes das sociedades de Cardiologia e Neurologia. O grupo vai definir as unidades de referência para realização das tomografias e mapeamento da área de atendimento. Os próximos passos incluem reuniões com diretores de hospitais de referência para alinhamento do fluxo e estabelecimento das diretrizes de tratamentos pós AVC.

Implantado pela SES em 2015, o protocolo de atendimento a casos de infarto rendeu a diversas UPAs o título de unidade Amiga do Coração. O projeto garante o atendimento de forma mais rápida e eficaz à vítima de infarto e diminui os riscos de óbito ou sequelas no paciente. Ao dar entrada em uma UPA com queixa de dor no peito, o paciente é avaliado e realiza eletrocardiograma. O exame é enviado a uma central no Hospital do Coração (HCor), em São Paulo, onde é avaliado por cardiologistas. Em até três minutos, o parecer fica disponível aos profissionais da UPA, com a indicação – ou não – do uso de trombolíticos (medicamentos que dissolvem coágulos sanguíneos).

No caso do AVC, o médico da unidade de pronto atendimento deverá avaliar o paciente e encaminhá-lo para unidades de referência, onde ele terá prioridade para fazer tomografia. Nas unidades que tiverem neurologista, a avaliação será imediata, com indicação – ou não – de uso de trombolíticos para tratamento de AVC isquêmico. Para hospitais que não tiverem neurologistas, a SES estuda a implantação de um aplicativo, pelo qual o exame será enviado para avaliação on-line por especialista. Nos indicativos de AVC hemorrágico, a avaliação será realizada pela equipe médica para o melhor procedimento.

– Estamos lidando com a pandemia e sabemos que as ocorrências de AVC estão aumentando, porém, neste momento, não estamos conseguindo registrar essas informações por causa da Covid-19. Com os protocolos a serem seguidos, temos certeza de que vamos avançar nesse processo de identificação do AVC, evitar sequelas e salvar vidas – afirmou o cardiologista Antônio Ribeiro Neto, coordenador do programa e da Linha de Cuidados de Infarto Agudo do Miocárdio da SES.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. BARRA MANSA PRECISA DE UM HOSPITAL PÚBLICO DE EXCELÊNCIA. ADMINISTRADO PELO GOVERNO..PLANO DE SAÚDE É SÓ PARA RICOS.

Untitled Document