Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2025 começa a ser discutido na Alerj

Estimativa é de déficit de R$ 13,76 bilhões; parcela do orçamento destinada ao pagamento da dívida do Estado com a União foi destaque nas discussões

by Vivian Costa e Silva

Estado do Rio – Os deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) começaram a discutir em plenário, nesta terça-feira (14), o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2025 (PL 3.367/24), enviado pelo Executivo. A medida prevê déficit de R$ 13,76 bilhões, com uma receita líquida estimada em R$ 107,31 bilhões e uma despesa de R$ 121,07 bilhões. O texto recebeu parecer favorável da Comissão de Orçamento da Casa e volta a ser analisado em discussão prévia nesta quarta-feira (15) no plenário.

Um dos principais temas foi a parcela do orçamento destinada ao pagamento da dívida com a União. O projeto aponta que o Rio de Janeiro deverá pagar R$ 11,6 bilhões em 2025; 13,2 bilhões em 2026; e 14,77 bilhões em 2027. Em 2025, a previsão é que o estoque da dívida chegue aos R$ 173,77 bilhões.

“O nosso maior desafio é a renegociação dessa dívida. A União, desde o final da década de 1990, vem tripudiando em cima dos estados brasileiros. Não honra o princípio federativo, cobra juros extorsivos”, criticou o vice-presidente da Comissão de Tributação, deputado Luiz Paulo (PSD), citando ainda o Estado do Rio Grande do Sul, que, por conta da catástrofe em curso, deixará de pagar as parcelas da sua dívida durante três anos. “Nesse período, incidirá a correção monetária sem cobrar um real de juros. Acho que a medida correta seria o perdão da dívida, integral, mas a própria União, neste ato, reconhece a exorbitância do juro que cobra”, disse.

Assim como Luiz Paulo, a deputada Martha Rocha (PDT) pontuou que grande parte do déficit previsto para o próximo ano vem da parcela que o Estado deve reservar no orçamento para o pagamento da dívida. “Na verdade, se nós não tivéssemos que pagar essa dívida, que está carreada sobretudo na questão dos juros, o que sobraria para ser pago anualmente seria em torno de R$ 2 bilhões”, comentou. “É preciso que se entenda que nem o Governo do Estado nem o Governo Federal existem para ser banco e ter sucesso com o rendimento dos juros. A União tem o dever de socorrer os estados pela força do pacto federativo”, completou.

Após a discussão em plenário, os deputados terão cinco dias úteis para elaboração de emendas. O texto deve ser votado em redação final pela Alerj no final de junho, após a Comissão de Orçamento emitir um parecer sobre as modificações propostas pelos parlamentares.

Suspensão da multa e renegociação da dívida

Outro ponto abordado em plenário foi a recente decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, que pode aliviar o Estado do Rio do pagamento de uma multa de 30% pelo que o deputado Luiz Paulo chamou de “pseudodescumprimento do Regime de Recuperação Fiscal”.

Ele apontou que a renegociação é imprescindível já que, segundo o apurado pela CPI da Dívida, presidida pelo deputado em 2022, os valores devidos pelo Rio de Janeiro já teriam sido “praticamente pagos”. “Uma das constatações que ali fizemos foi que a dívida do Estado já estava praticamente paga e que a União não era banco para cobrar juros extorsivos do Estado do Rio de Janeiro. É necessário e fundamental que se tenha uma decisão geral e não decisão pontual”, comentou o parlamentar.

Previsão de arrecadação e perda de recursos

Em 2025, a previsão de arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o principal tributo do Estado, é de R$ 49,4 bilhões; em 2026, de R$ 52,2 bilhões; e em 2027, de R$ 55,7 bilhões. Já as receitas de royalties e participações especiais de petróleo foram estimadas em R$ 26,4 bilhões para 2025, 27,1 bilhões em 2026, e 27,8 bilhões no ano de 2027.

Uma dificuldade apontada na arrecadação tanto por membros do governo, incluindo o próprio governador Cláudio Castro na justificativa do projeto, quanto pelos deputados em plenário são as perdas de recursos devido à Lei Complementar Federal 194/22, que reduziu, de 32% para 18%, a alíquota de ICM sobre os serviços de energia, telecomunicações e combustíveis.

Os deputados apresentaram outras propostas que podem melhorar o caixa do Estado, dentre elas a revisão dos benefícios e incentivos fiscais previstos para 2025. “Previstos em R$ 25 bilhões, esses benefícios continuam sendo concedidos a empresas sem qualquer exigência de contrapartidas nem métricas objetivas que permitam avaliar o real proveito desses benefícios para a sociedade fluminense”, pontuou a deputada Élika Takimoto (PT).

Já a deputada Renata Souza (PSol) destacou os valores inscritos na dívida ativa, ou seja, todo o dinheiro que não foi pago pelos contribuintes ao Estado do Rio. “Temos um estoque que corresponde a R$ 109 bilhões a receber. Esse valor, praticamente, equivale a um orçamento anual do Estado. Em 2023, o governo arrecadou R$ 694 milhões da dívida ativa, porém ajuizou, no mesmo ano, R$ 12 bilhões, ou seja, recuperou apenas 6% do total ajuizado. Esse percentual representa pouca eficiência na recuperação desses créditos tributários”, observou.

O deputado Luiz Paulo citou, ainda, a necessidade de cobrança do IPVA sobre embarcações de passeio e de aviões executivos, prevista na Reforma Tributária aprovada em Brasília. O parlamentar estimou que, com a medida, o Estado poderia arrecadar R$ 600 milhões de reais anualmente, sendo que metade desses recursos seriam repassados aos municípios.

“Não cabe à União regulamentar IPVA, as regulamentações são de cada unidade federativa. Nós não podemos deixar que os ricos não sejam taxados em detrimento dos pobres, porque se cobram 4% de IPVA em todos os veículos usados, inclusive daqueles humildes, por que lanchas de passeio magníficas, jatos turboélices, hélices, aviões de executivos não devem pagar também?”, indagou.

You may also like

Leave a Comment

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996