Projeto leva conteúdo de produções audiovisuais para escolas públicas de Volta Redonda

‘Cinema na Periferia’ traz oficinas, palestras, tutorias, exibições de filmes e debates

by Diário do Vale

Foto: Divulgação

Volta Redonda – A partir desta semana até o fim de junho, será realizado, em Volta Redonda, o Projeto “Cinema na Periferia”. O projeto que consiste na realização de oficinas de formação audiovisual, em diversas áreas, de forma gratuita e acessível, oferecido prioritariamente para estudantes da rede pública de ensino com idades a partir de 14 anos e que sejam residentes em regiões periféricas da cidade de Volta Redonda. Contemplado no “Edital Oficinas Audiovisual”, o projeto é realizado pelo Laboratório Produções Artísticas em parceria com a Escambo Arte, Conselho Municipal de Política Cultural de Volta Redonda, Secretaria Municipal de Cultura de Volta Redonda, através da Lei Paulo Gustavo e Ministério da Cultura.

“A produção cinematográfica muitas vezes não reflete a diversidade de experiências vividas por jovens que residem em áreas periféricas. Ao fornecer formação em cinema para esses jovens, há a possibilidade de criar narrativas autênticas e representativas, contribuindo para uma representação mais equitativa e plural na indústria cinematográfica.” – ressalta Renata Andrade, Coordenadora Pedagógica do Projeto.

A formação em cinema envolve diversas habilidades, incluindo redação, direção, produção, edição e trabalho em equipe. Ao adquirir essas habilidades, os jovens podem se beneficiar não apenas na indústria cinematográfica, mas também em outras áreas profissionais, promovendo o desenvolvimento pessoal e profissional. O projeto conta com profissionais ligados ao setor audiovisual e traz oficinas, palestras, tutorias, exibições de filmes e debates, onde os participantes poderão se aprofundar no universo da produção audiovisual e aprender a produzir vídeos com baixo custo e recursos acessíveis.

“A aprendizagem sobre cinema pode ser uma ferramenta para empoderar os jovens, proporcionando-lhes habilidades técnicas e criativas que podem aperfeiçoar seu desenvolvimento também na educação formal. Isso não apenas os capacita a contar suas próprias histórias, mas também oferece oportunidades de expressão e participação ativa na sociedade.” – complementa Xan Braz, Coordenador do Projeto.

Os alunos do Colégio José Botelho de Athayde, na Vila Americana e da Escola Municipal Dr. Jiulio Caruso, no bairro Conforto, receberão atividades presenciais como Oficinas e Exibições de Filmes e Debates (estas exibições poderão se estender a outras escolas). Já as palestras online, serão disponibilizadas também para outras pessoas interessadas.

Acessibilidade

Alguns cuidados foram tomados com relação a acessibilidade do projeto. Importante ressaltar que com uma mediadora inclusiva e intérprete de libras acompanhará todas as ações presenciais.

O espaço escolhido para realização de aulas presenciais será em local que permita a circulação de pessoas com mobilidade reduzida e a iluminação das salas de aula serão adequadas às necessidades de alunos autistas ou que apresentem fotossensibilidade.

Quem é quem no projeto

Xan Braz – Coordenação de Projeto, Assessoria de Imprensa e Designer Gráfico:

Cris Ribeiro – Coordenação de Projeto, Produtora Executiva e Palestrante sobre Produção de Cinema

Renata Andrade – Coordenação Pedagógica, Oficineira de Roteiro e Tutoria em Roteiro

Alexandra Garnier – Oficineira de Roteiro, Oficineira de Pichting, Tutoria em Roteiro e Mediadora de Cine Debate

Rabu Gonzales – Oficineiro de Produção Audiovisual de Baixo Custo, Palestrante sobre Produção de Videoclipes e Mediador de Cine Debate

Thiago Almeida – Palestrante sobre Direção,  Direção de Fotografia e Mediador de Cine Debate

Brenda Nury – Palestrante sobre Figurino e Mediadora de Cine Debate

Ana Paula Paiva – Mediadora Inclusiva

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Sobre a Lei Paulo Gustavo

A Lei Complementar 195, aprovada pelo Congresso Nacional, conhecida como Lei Paulo Gustavo, foi promulgada no dia 8 de julho de 2022, e dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural a serem adotadas em decorrência dos efeitos econômicos e sociais da pandemia da covid-19.

De acordo com o artigo 3º da lei, serão injetados R$3,8 bilhões na Cultura Brasileira para aplicação em ações que visem combater e mitigar os efeitos da pandemia da covid-19 sobre o setor cultural.

A Lei Paulo Gustavo terá execução descentralizada, com repasses aos Estados e Municípios, restituindo ao setor cultural os recursos que estavam parados no superávit financeiro do Fundo Nacional de Cultura e do Fundo Setorial Audiovisual.

O nome do projeto homenageia o ator e humorista Paulo Gustavo, que morreu em maio de 2021, vítima da covid-19. Desse valor, foram destinados os seguintes percentuais aos Estados, Municípios e Distrito Federal:

Fundo Setorial do Audiovisual: R$ 2,797 bi (71,17%)

Fundo Nacional de Cultura (Multilinguagens): R$ 1,065 bi (28,83%)

Para a Prefeitura de Volta Redonda, foram destinados aproximadamente R$ 2.144.283,93 que atenderão os seguintes percentuais:

Fundo Setorial do Audiovisual: R$ 1.526.108,85

Fundo Nacional de Cultura (Multilinguagens): R$ 618.175,08

Informações

Mais informações sobre o Projeto “Cinema na Periferia” através do instagram @laboratorioproducoesartisticas ou pelo email: [email protected]

You may also like

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas
.

Image partner – depositphotos

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996