>
quinta-feira, 26 de maio de 2022 - 12:47 h

TEMPO REAL

 

Capa / Nacional / Raquel Dodge pede inclusão de Temer em investigação no STF sobre Odebrecht

Raquel Dodge pede inclusão de Temer em investigação no STF sobre Odebrecht

Matéria publicada em 27 de fevereiro de 2018, 19:34 horas

 


Temer pode ser incluído entre investigados

Temer pode ser incluído entre investigados


Brasília –
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu nesta terça-feira (27) ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, a inclusão do presidente Michel Temer no rol de investigados no inquérito que apura o suposto favorecimento da empreiteira Odebrecht pela antiga gestão da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. Entre 2013 e 2015, durante o governo da ex-presidenta Dilma Rousseff, o órgão foi dirigido pelos atuais ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. Ambos já são investigados no caso.

Na manifestação, Raquel Dodge divergiu do entendimento do ex-procurador Rodrigo Janot, que, no ano passado, decidiu não incluir Temer na investigação, por entender que o presidente tem imunidade constitucional enquanto estiver no cargo. Segundo a procuradora, a Constituição impede somente o oferecimento da uma eventual denúncia contra os investigados.

De acordo com depoimento de delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Claudio Melo Filho, houve um jantar no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, para tratativas de um repasse de R$ 10 milhões como forma de ajuda de campanha para o PMDB.

“A investigação penal, todavia, embora traga consigo elevada carga estigmatizante, é meio de coleta de provas que podem desaparecer, de vestígios que podem se extinguir com a ação do tempo, de ouvir testemunhas que podem falecer, de modo que a investigação destina-se a fazer a devida reconstrução dos fatos e a colecionar provas. A ausência da investigação pode dar ensejo a que as provas pereçam”, argumenta a procuradora-geral da República.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. O Ministério Público, tem extrapolado suas atribuições, esses crimes, foi antes de ser Presidente, caso do Governador da Bahia, na entrevista a procuradora já o condena mesmo antes de ´ser indiciado. Outra coisa absurda, o MP chegou a um valor de propina de 450 bilhões, se a obra custou 600 bilhões, ou seja mais de 70% foi pago em propina?.

  2. O comeco da morte do vampiro!

  3. Se o temer for investigado até a última instância, eu vou começar a ter esperança novamente. Em nome de Jesus, que caiam todos os que foram e estão sendo beneficiados por roubalheira no Brasil. Amém. Boa noite!!!

Untitled Document