>
sexta-feira, 19 de agosto de 2022 - 23:51 h

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Relembrando Nichelle Nichols

Relembrando Nichelle Nichols

Matéria publicada em 3 de agosto de 2022, 15:17 horas

 


Atriz de “Jornada nas Estrelas” morreu aos 89 anos de idade

Os fãs de Jornada nas Estrelas (Star Trek no original) ficaram de luto sábado passado com a morte da atriz e cantora Nichelle Nichols. Que ficou conhecida mundialmente pelo papel da tenente Uhura, a oficial de comunicações da nave estelar Enterprise. Personagem que Nichols interpretou não só na série original, produzida entre 1966 e 1969 como também nos longa metragens feitos para o cinema entre 1979 e 1989. Numa época em que os atores afro-americanos só faziam papel de criados nas séries da televisão americana, Nichols  representava a ‘mulher do futuro” de uma civilização mais avançada do século 23.

Na visão do produtor da série, Gene Rodemberry, a Terra do século 23 seria um planeta unificado, sem guerras e nações, onde pessoas de todas as raças trabalhariam juntas para a exploração do espaço e o estabelecimento de colônias humanas em planetas de outros sóis. Enquanto outros seriados só mostravam naves tripuladas por americanos brancos, descendentes de europeus, em Jornada nas Estrelas a tripulação da Enterprise incluía latinos, negros e asiáticos. A série fez tanto sucesso que virou um ícone da cultura americana. E muitos atores se ressentiram por terem ficado associados, pelo resto da vida, aos personagens que tinham interpretado em “Jornada nas Estrelas”. Como Leonard Nimoy, o senhor Spock, que chegou a escrever um livro intitulado “Eu não sou Spock”. Já Nichelle Nichols tinha uma visão positiva do fenômeno e dizia que: “Todas as pessoas que trabalharam em Jornada nas Estrelas ficarão conhecidas para sempre por aqueles personagens. E que personagens ótimos para ter nosso nome ligado pelo resto da vida. A série é um fenômeno no mundo inteiro” ela comenta em sua biografia.

Na verdade Nichols quase abandonou o seriado em sua segunda temporada. Ela ficou indignada quando soube que a direção da rede de TV NBC não estava repassando para ela a correspondência enviada pelos fãs. Procurou o produtor Gene Robemberry e disse que ia deixar o seriado para trabalhar em um musical da Broadway. Mas tudo mudou alguns dias depois. O ano era 1967 e Nichols estava jantando em um restaurante em Los Angeles quando foi informada de que um fã, presente no local, desejava muito conhecê-la pessoalmente. Ela concordou em falar com este fã e ficou muito surpresa quando soube que o fã era o reverendo Martin Luther King, líder do movimento pelos direitos das minorias. King disse para Nichols que sua mulher e suas filhas não perdiam um episódio de “Jornada nas Estrelas”. Quando ela contou que pretendia abandonar o papel ele foi enfático: “Não faça isso, seu papel abriu uma porta para os negros americanos na televisão, a senhora se tornou im modelo para toda uma geração e se abandona-lo esta porta será fechada.”

Diante disso a atriz desistiu de deixar a série e ficou até o último longa-metragem com o elenco original: “Jornada nas Estrelas – A terra desconhecida” de 1989. Filha do prefeito de uma comunidade negra perto de Chicago, Nichelle Nichols treinou desde criança para ser uma cantora e dançarina. Aos 15 anos de idade ela foi descoberta por uma lenda do jazz, o músico Duke Ellington. Tornou-se a cantora da banda de Ellington e percorreu os Estados Unidos se apresentando em vários clubes, teatros e shows. Seu treinamento como bailarina lhe deu um requisito importante para fazer parte do elenco de “Jornada nas Estrelas”: As pernas longas e bem torneadas. O uniforme dos homens da nave Enterprise consistia em camisas de mangas longas, calças pretas e botas. Mas o figurinista da série, Wlliam Ware Theis, teve uma ideia louca logo no primeiro episódio. Ele eliminou as calças das mulheres que passaram a atuar usando só a camisa, as botas e uma meia calça. O que exigia que o elenco feminino tivesse pernas esculturais.

Falando sobre sua morte, seu filho disse: “Sua luz brilhará para sempre, como a daquelas galáxias recém-descobertas”. De fato, como tenente Uhura ela viverá para sempre.

 

Uhura: Nichols(C) entre o capitão Kirk e um convidado

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document