domingo, 17 de outubro de 2021 - 09:19 h

TEMPO REAL

 

Capa / Plantão da redação / Saae-VR faz balanço da crise hídrica e descarta racionamento

Saae-VR faz balanço da crise hídrica e descarta racionamento

Matéria publicada em 11 de setembro de 2015, 22:23 horas

 


Apesar disso, em entrevista coletiva, diretor-executivo da autarquia, Paulo Cezar de Souza, o PC, pediu apoio da população

Risco de falta d’água: ‘Nenhuma medida vai funcionar se as pessoas desperdiçarem água, fazendo um mau uso dela’, disse PC (Foto: Divulgação PMVR)

Risco de falta d’água: ‘Nenhuma medida vai funcionar se as pessoas desperdiçarem água, fazendo um mau uso dela’, disse PC (Foto: Divulgação PMVR)

Volta Redonda – O diretor-executivo do Saae-VR (Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Volta Redonda), Paulo Cezar de Souza, o PC, disse nesta sexta-feira (11) em entrevista coletiva concedida no gabinete do prefeito Antônio Francisco Neto (PMDB), que apesar da gravidade da crise hídrica, a cidade não corre risco de racionamento, pelo menos por enquanto.

– Nós tomamos certas medidas ao longo do tempo que nos permitem descartar no momento um racionamento. Estamos instalando um sistema de captação flutuante, fizemos uma campanha para o consumo consciente, que surtiu efeito, e trabalhamos a redução de perdas – comentou PC, lembrando que Volta Redonda está em uma situação “confortável” graças a essas medidas da autarquia.
De acordo com PC, o sistema de captação flutuante, obtido por meio do Ceivap (Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul) deve começar a operar em outubro. O sistema permitirá que a captação de água seja feita mesmo com o rio em um nível baixo. Além disso, o Saae em trabalho conjunto com a CSN reativou um sistema de captação.
– O sistema de captação da CSN funciona em um nível mais baixo do rio. Conversamos com a empresa, que recuperou a parte do sistema que fica dentro da usina, e nós recuperamos o resto. Fizemos alguns testes há duas semanas e tudo correu bem. Isso se torna mais uma alternativa para nós, para ajudar no abastecimento do reservatório do bairro Laranjal – declarou.
Já sobre a campanha de conscientização no uso da água, o Saae registrou uma economia de até 18% em alguns bairros.
– Conseguimos atingir uma economia de até 18% no consumo de água em alguns bairros, com uma média de 10,5% de redução no consumo na cidade. Nas escolas municipais, a média de economia chegou a 13%, e contando com a participação das crianças, que são as grandes multiplicadoras – falou.
Entre os bairros que conseguiram promover a economia de água, o que o diretor do Saae chamou de “torneiras de ouro”, estão: Jardim Europa (18,6%); Jardim Paraíba (18,59%); Santa Inês (18,22%); Rústico (17,40%); Água Limpa (17,24%); Aero (17,12%); Bela Vista (17,06%); Retiro (16,97%); Vila Mury (16,65%) e São Cristóvão (16,21%).

Baixo nível histórico

Durante a coletiva, PC explicou também que a Bacia do Rio Paraíba do Sul, o chamado Reservatório Equivalente, que conta com a contribuição de quatro reservatórios (Paraibuna, Santa Branca, Jaguari e Funil) está atualmente em 6,58% da sua capacidade total, enquanto no ano passado, neste mesmo período, o sistema estava operando com 17%. As informações são da Agência Nacional de Águas (ANA).
– Houve uma queda muito grande em relação ao ano passado, como era previsto. Dos quatro reservatórios, o mais preocupante é o reservatório de Paraibuna (maior reservatório entre eles). Segundo informações dos pesquisadores, daqui a 10 dias irá entrar em seu volume morto – disse.
O diretor do Saae lembrou que a vazão do Rio Paraíba do Sul está em seu menor nível desde 1993. No início do ano, o volume era de 200 metros cúbicos por segundo e hoje está em 83 metros cúbicos por segundo.

Manobras contra a crise

O diretor-executivo citou ainda ações que foram realizadas em pontos críticos do sistema de abastecimento, como o descompartilhamento entre os bairros Vila Rica/Jardim Belvedere e Roma (já em operação), e entre os bairros Vila Brasília e Santa Cruz (previsão de conclusão em dezembro de 2015); a instalação de reservatórios nos bairros Vista Verde (previsão de conclusão em outubro de 2015) e Açude, cujo pedido de financiamento está em análise na Caixa Econômica Federal. Após a aprovação deste último, ela deve ser concluída em 10 meses.
PC disse ainda que a manutenção da rede foi reforçada e os atendimentos agilizados, evitando a perda de água por vazamento.
– Mas nada disso vai nos impedir de sofrer os efeitos da falta de água em uma eventual piora da situação. Não existem previsões de longo prazo para a questão das chuvas, por isso nenhum cenário está descartado. O que sabemos é que a participação da população com o uso consciente da água, um bem cada vez mais escasso, é fundamental. Nenhuma medida vai funcionar se as pessoas desperdiçarem água, fazendo um mau uso dela – frisou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

8 comentários

  1. O SAAE de Barra Mansa fala da escassez da água, VR não fala o mesmo.
    Como pode acontecer isso se ambas apanham do mesmo rio.

    • VR tem um trunfo que é a barragem a fio d’água da CSN, semelhante à de Santa Cecília em Barra do Piraí. Ela garante que o rio forme um remanso na região à montante por alguns quilômetros, onde fica mais lento e profundo… Aliás, a cidade de Barra do Piraí deveria ter construído sua estação para captar água acima da barragem de Sta Cecília, onde a maior parte do rio é desviado para formar o Guandu e assim abastecer Baixada e capital… Hoje a cidade capta quase que esgoto diluído do minguado Paraíba que sobrou, isso em várias pequenas estações, muitas das quais ficam na boca dos emissários. Eu mesmo já vi e achei nojento, quando estou em Barra só bebo água mineral…

  2. OS GORVENANTES ESTÃO ESPERANDO SECAR TUDO PARA RACIONAR
    ACORDA BRASIL!!!!

  3. Enquanto isto o SAAE não ta nem ai p/ os vazamentos,no bairro Sao Luis a agua ta jorrando na rua faz 10 dias e até agora nd,o que adianta população economizar 100l e o SAAE desperdiçar 10000l.

    • Você já comunicou ao SAAE sobre tal vazamento? Não adianta reclamar só na imprensa não, muitas vezes o poder público não sabe onde está o problema ou descobre-o tardiamente…

  4. Acredito que se há um órgão que esbanja água, que ignora a crise hídrica pelo país esse órgão é o SAAE. Vira e mexe temos notícias de esbanjamentos pela cidade. Há alguns dias, passei pela Vila Santa Cecília, e fiquei surpreso ao ver o caminhão pipa ‘varrendo’ a praça com… água. Isso mesmo. Um senhor estava varrendo a praça justamente com água, para indignação de todos que por ali passavam, pela manhã. É pra rir, ou pra chorar?

  5. Se estiver chovendo no Vale Paulista o que está chovendo aqui, já é um alento. Tem que chover lá pra possibilitar a recuperação dos reservatórios…

  6. Deveriam sim fazer o racionamento pois ainda existem pessoas que não estão nem aí devido a crise da água! O saae deveria abrir o registro na parte da noite e fechar durante o dia, pois as pessoas estão desperdiçando muita água aqui no divisa 2

Untitled Document