>
segunda-feira, 23 de maio de 2022 - 13:50 h

TEMPO REAL

 

Capa / Saúde / Vacina brasileira contra a covid-19 será testada in vivo pela Fiocruz

Vacina brasileira contra a covid-19 será testada in vivo pela Fiocruz

Matéria publicada em 10 de junho de 2020, 17:57 horas

 


Teste será em modelo animal, na fase chamada de estudos pré-clínicos

Rio de Janeiro  –

Uma vacina contra a covid-19 será testada em seres vivos pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por meio do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos). O teste será em modelo animal, fase de desenvolvimento chamada de estudos pré-clínicos. A informação foi divulgada em nota, nesta quarta-feira (10), pela Fiocruz.

“A abordagem do projeto é de uma vacina sintética, com base em peptídeos antigênicos de células B e T – ou seja, com pequenas partes de proteínas do vírus capazes de induzir a produção de anticorpos específicos para defender o organismo contra agentes desconhecidos – neste caso, o Sars-CoV-2 [covid-19]”, explicou a Fiocruz.

Segundo o instituto, essas biomoléculas, identificadas em modelo computacional (in silico), foram produzidas por síntese química e validadas in vitro. Os peptídeos foram acoplados em nanopartículas, que funcionam como uma forma de “entrega”, para apresentar essas biomoléculas para o sistema imune com melhor imunogenicidade e ativar sua defesa.

“As vantagens da abordagem vacinal sintética são a rapidez no desenvolvimento em comparação às metodologias tradicionais e o não requerimento de instalações de biossegurança nível 3 para as primeiras etapas de desenvolvimento (sendo necessárias somente a partir dos estudos pré-clínicos), bem como o custo reduzido de produção e a estabilidade da vacina para armazenagem”, detalhou a Fiocruz.

A fundação explicou que, na próxima etapa, serão feitas formulações vacinais com essas biomoléculas acopladas em nanopartículas, para avaliação in vivo, onde serão obtidos os primeiros resultados relacionados à imunidade conferida ao novo coronavírus.

“A partir dos resultados dos estudos pré-clínicos, parte-se para a fase dos estudos clínicos de fases I, II e III. De qualquer forma, mesmo em processo acelerado de desenvolvimento tecnológico e, obtendo resultados positivos em todas as etapas futuras, a vacina autóctone de Bio-Manguinhos/Fiocruz não chegará ao registro antes de 2022”, concluiu.

*As informações são da Agência Brasil


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Quando os testes estiverem concluídos, estando já iniciados os investimentos para a produção industrial da vacina, estaremos em 2045, lutando contra o Covid40.

  2. Tomara que dê certo.

    É preciso ter fé e esperança em dias melhores!

  3. E o BOZO cortando investimento em pesquisa nas universidades é lamentável

    • Effeh Benjamin Klain

      Metalurgico cupanheru du Luladrão e dos sindicalistas parasitas, bom era o governo esquerdista que enviava dinheiro para Cuba Kill Parill e outros regimes nefastos e terroristas… vai estudar analfabeto.

Untitled Document