quinta-feira, 2 de dezembro de 2021 - 15:55 h

TEMPO REAL

 

Capa / Saúde / Variante Delta já é detectada em mais de 80% das amostras no Rio, diz mapeamento

Variante Delta já é detectada em mais de 80% das amostras no Rio, diz mapeamento

Matéria publicada em 31 de agosto de 2021, 14:53 horas

 


Rio de Janeiro – A variante Delta do Sars-CoV2 já é causadora de 86% dos casos de covid-19 no Rio de Janeiro, segundo mapeamento da Rede Corona-Ômica de vigilância genômica do novo coronavírus no Estado. O alastramento dessa nova variedade do vírus foi extremamente veloz. Em junho, os casos de Delta eram apenas 6%. No mês seguinte, saltaram para 48%; agora, são maioria absoluta

As análises são realizadas pela equipe da pesquisadora Ana Tereza Vasconcelos, do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. A rede de vigilância genômica já processou 3.952 genomas virais, oriundos de 91 municípios. Os pacientes são oriundos dos centros de referência e hospitais em todo o Estado

Um estudo publicado na revista científica The Lancet no sábado, 28, apontou que os infectados com a variante Delta do novo coronavírus têm o dobro de risco de serem hospitalizados. A comparação foi feita com pessoas que contraíram a cepa Alpha do vírus, detectada no Reino Unido em novembro passado.

O avanço da Delta tem levado governos locais a optarem pela antecipação da segunda dose da vacina contra a covid-19, o que poderia aumentar a chance de proteção contra a cepa. A presença mais frequente da variante também tem fortalecido debates sobre a aplicação da terceira dose em populações mais vulneráveis, como os idosos. Na quarta-feira passada, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou a necessidade de aplicação da dose extra.

Por Roberta Jansen

Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

3 comentários

  1. Se cuidem! Fiquem atentas! Usem mascaras!

    Trecho de entrevista de Luciano Szafir

    Sobre as sequelas, ele conta: “As pessoas acham que depois da internação tudo acabou, mas não. Podemos ter trombose meses depois, perda de memória e muitos problemas psicológicos. O vírus é maldito e a gente vai ter que lidar com ele. É traiçoeiro, te deixa marcas físicas e psicológicas. Minha alimentação é restrita, não posso comer qualquer coisa, e frequentemente esqueço o nome de certas palavras”.

  2. Falam em 3 dose , ok.

    Mas tem um monte de gente com comorbidades que nem tomaram a segunda dose.

    Adolescentes com comorbidades começaram a 1 dose agora.

    Tínhamos que ter mais vacinas para adiantamos as 2 doses…

  3. Mais contagioso ! Ninguém merece!

    Será que nós não estamos dentro de um pesadelo ?

    Se tivermos alguém me acorda!

Untitled Document