Variante Delta preocupa e trabalhadores redobram medidas de prevenção - Diário do Vale
segunda-feira, 27 de setembro de 2021 - 17:03 h

TEMPO REAL

 

Capa / Tempo Real / Variante Delta preocupa e trabalhadores redobram medidas de prevenção

Variante Delta preocupa e trabalhadores redobram medidas de prevenção

Matéria publicada em 24 de julho de 2021, 09:05 horas

 


Barra Mansa – O fato do Rio de Janeiro ser o estado com o maior número de casos da variante delta, cepa mais transmissível do coronavírus, está levantando um alerta entre as pessoas que, no dia a dia, ficam expostas ao risco de contaminação, por terem que trabalhar direto com o público. Embora alguns já tenham tomado a primeira dose de uma das vacinas contra a Covid-19, trabalhadores de setores como farmácia, supermercado e as lojas do comércio, no geral, estão intensificando as medidas de prevenção.
É o caso da comerciária Alexandra Dias da Silva, de 41 anos. Ela, que trabalha em uma de artigos para celulares, conta que já tomou a primeira dose da vacina, mas que tem muito medo de se infectar.
“Eu ainda não tive Covid e nem quero ser contaminada. Pelo o que tenho escutado essa variante Delta é mais contagiosa e, por isso, vou continuar com meu excesso de cuidados, usando duas máscaras, trocando elas após algumas horas de uso, higienizando as mãos com álcool a todo tempo. Tenho certeza que essas medidas me protegeram até aqui, mesmo tendo contado com tantas pessoas nesse tempo todo de pandemia”, ressaltou.
A funcionária de uma farmácia, Cristiane Carvalho Nascimento, de 42 anos, também se diz preocupada com o risco de contaminação pela nova variante e, nos últimos dias, tem ficado mais atenta com os cuidados. Ela, que já contraiu o vírus, em dezembro, explica que o risco para quem trabalha nas farmácias é muito grande e que, por essa razão, no local de trabalho a prevenção deve ser redobrada.
“Muitas pessoas infectadas vão à farmácia para comprar medicamentos. E é nesse momento que a gente, que trabalha atendendo esse cliente, fica muito exposto. Se os especialistas dizem que a variante Delta é mais contagiosa, temos que redobrar os cuidados. Eu tenho certeza que peguei Covid trabalhando e, por isso, agora, me previno mais. Comprei máscaras N95, que me protege mais no transporte coletivo e no trabalho e a todo tempo higienizo as mãos”, afirmou Cristiane, que também já tomou primeira dose da vacina,

Fiscalização
De acordo com o secretário de Ordem Pública de Barra Mansa, William Pereira, embora tenha se observado que a cidade está avançando com o plano de imunização, diante dos casos da variante Delta, no estado do Rio, a Fiscalização de Posturas, juntamente com outros órgãos competentes, irá manter a força tarefa na área comercial da cidade, bem como nos bares e restaurantes.
“Vamos continuar e intensificar o trabalho de averiguação das medidas preventivas nesses locais, inclusive os que tiverem denúncias de aglomerações. Sabemos que houve uma melhora, mas não vamos deixar cair o nível de fiscalização. Nossa meta é continuar com a força tarefa no combate ao vírus”, garantiu o secretário.
CDL pede para lojistas ‘não baixarem a guarda’
De acordo com o presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) Leonardo dos Santos, a nova variante é motivo de preocupação para o comércio e, por isso, mesmo diante do avanço da vacinação, a entidade está fazendo um apelo para que os lojistas não baixem a guarda com as medidas preventivas. Nos próximos dias, Santos adiantou que serão feitas campanhas nas redes sociais, em outdoors, nas rádios e nos jornais, com apelo para que os clientes e comerciantes mantenham os cuidados.
“Os cuidados devem ser mantidos e a CDL vem sempre comunicando seus associados e lojistas para que respeitem as normas de saúde, a questão da máscara, da distribuição de álcool para funcionários e clientes,,da higienização e de não deixar gerar aglomeração dentro da loja. Uma pesquisa recente feita pela CDL apontou que 80% dos funcionários do comércio não se contaminaram no ambiente de trabalho, onde as pessoas estão conseguindo manter as medidas, mas vamos continuar batendo firme, não podemos afrouxar”, enfatizou o presidente.
Usar máscaras para conter variantes
De acordo com o médico Carlos Gustavo Medeiros, coordenador da Cruz Vermelha de Barra Mansa, manter a orientação de usar a máscara, dentro das possibilidades de cada um, é uma das principais medidas de prevenção para conter não só a Delta, como também outras variantes. E o cuidado, segundo ele, deve ser tomado em todos os lugares e ambientes em que as pessoas tenham contato uma com as outras.
“A vacinação diminui a capacidade do vírus de expandir o seu perfil de contaminação e, com isso, percebemos a queda no número de casos e de internações. Mas, o risco é as pessoas começarem a se descuidar. Porque apesar de estarmos saindo de uma fase crítica, se observarmos o número de infectados e de mortes continua alto e isso facilita a possibilidade de surgirem novas variantes, do vírus modificar sua estrutura e começar a fazer coisas que ele não fazia antes”,alerta o médico.
De acordo com ele, é importante ressaltar que o Brasil ainda não tem a circulação maciça da variante Delta, no entanto, que todos devem saber, em termos de saúde pública, que manter os cuidados com uso de máscaras, álcool e distanciamento social ajudam a poupar vidas.
“Ainda não acabou, estamos vencendo com os processos de vacina, mas as variantes são uma realidade e, na medida em que elas vão surgindo, nós trabalhamos com o inesperado. Então, é melhor que dentro das nossas possibilidades todos façam a sua parte, inclusive respeitando a campanha de vacinação, caso estejam dentro dos grupos prioritários ou faixa etária. Mantendo essas medidas evitamos a circulação do vírus e impactamos diretamente no surgimento de variantes”, finalizou o médico.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

2 comentários

  1. E vamos abrir os “botecos” e fazer confraternizações e azarações sem nenhum protocolo.

  2. Se cuidem !

    Muitos acham que estão bem e tempos depois morrem de parada cardíaca, derrame, embolia devido a sequelas do covid.

Untitled Document