>
terça-feira, 28 de junho de 2022 - 13:00 h

TEMPO REAL

 

Capa / Plantão da redação / Volta Redonda promove Cine Diversidade para alunos do Ensino Médio

Volta Redonda promove Cine Diversidade para alunos do Ensino Médio

Matéria publicada em 22 de maio de 2022, 09:50 horas

 


Estudantes assistiram a filme e participaram de Roda de Conversa sobre conscientização contra a LGBTFOBIA

O Cine Diversidade foi direcionado para os alunos do Ensino Médio do Colégio Estadual Rio Grande do Norte – Foto: Divulgação PMVR.

Volta Redonda- A Secretaria de Políticas para Mulheres e Direitos Humanos (SMDH) de Volta Redonda, juntamente com a Fundação Cultural CSN e o Centro Cidadania do governo estadual, promoveram durante dois dias desta semana, o Cine Diversidade para alunos do Ensino Médio do Colégio Estadual Rio Grande do Norte. Os estudantes assistiram ao filme Limiar, que mostra uma mãe que acompanha a transição de gênero de seu filho adolescente, narrando os conflitos, certezas e incertezas na busca de sua identidade.

O objetivo do evento é conscientizar e também combater a LGBTFOBIA, que é a aversão irreprimível, repugnância, medo, ódio, preconceito que algumas pessoas nutrem contra os homossexuais, lésbicas, bissexuais, transexuais e demais grupos LGBTI+, não respeitando as diferenças de vidas.

Na abertura do Cine Diversidade, a coordenadora do Centro Cultural da FCSN, Giane de Carvalho, agradeceu a presença de todos e destacou as metas e o teor do filme.

“Somente vamos mudar a realidade da violência através da educação. Este filme, que recebeu vários prêmios, mostra os dois lados. Um jovem passando por uma transição e também o lado da família, num ambiente de respeito e crescimento. O objetivo é educacional e cultivar uma cultura da paz contra a violência e o preconceito”, afirmou Giane, comentando sobre a parceria nos projetos:

“Essa parceria com a Secretaria da Mulher e Direitos Humanos, com a prefeitura, vem fortalecer o nosso trabalho pelos direitos humanos em ações cada vez maiores. Em junho, teremos uma segunda edição da ação cultural, tratando a questão LGBTQ+, que é uma forma de chegar aos coletivos, aos artistas. As parcerias vêm agregar os trabalhos que a Fundação vem realizando junto com os parceiros nesses projetos”, frisou.

Depois da exibição do filme no auditório do Centro Cultural, na Vila Santa Cecília, os estudantes participaram de uma Roda de Conversa com os debatedores: a consultora voluntária dos grupos LGBTI+, Ester Halfeld; o jovem Felipe Daniel; o professor de Sociologia, Rodolfo Moraes; a assessora da SMDH, Regina Pereira; e a universitária em Psicologia da UFF (Universidade Federal Fluminense), Julia Garcia. Cerca de 140 alunos do Colégio Estadual Rio Grande do Norte participaram durante os dois dias. Outras escolas serão convidadas e agendadas.

Diversidade nas Escolas

A assessora da Divisão para a Promoção da Diversidade de Gênero – do Departamento de Direitos Humanos da SMDH, Regina Célia Pereira, disse que o Cine Diversidade, que iniciou em março deste ano, vai até dezembro em escolas de Ensino Médio do município e no Centro Cultural da Fundação CSN, cabendo à secretaria a indicação e o convite aos participantes.

O Cine Diversidade consiste na exibição de filmes e documentários com conteúdos relacionados à temática da diversidade étnico racial, de gêneros e sexualidade. Está voltado aos profissionais de educação e estudantes do Ensino Médio das escolas públicas e privadas, seguido de uma Roda de Conversa.

“As discriminações de gênero, étnico- racial e por orientação sexual, como também a violência homofóbica, são produzidas e reproduzidas em todos os espaços da vida social brasileira, inclusive nas escolas. O Brasil tem conquistado importantes resultados na ampliação do acesso e no exercício dos direitos por parte dos seus cidadãos. No entanto, há ainda imensos desafios a vencer, como o respeito e a valorização da diversidade. Não bastarão leis se não houver a transformação de mentalidades e práticas, daí o papel estruturante que adquirem as ações que promovem a discussão desses temas, motivem a reflexão individual e coletiva. Isto contribui para a eliminação de qualquer tratamento preconceituoso”, afirmou Regina Pereira.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Ihihihihihihihihih, gente!!! O gado do Bozo não vai gostar disso não, hem???

Untitled Document