domingo, 17 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Política / Verba para a Creche Santa Rita depende de prestação de contas

Verba para a Creche Santa Rita depende de prestação de contas

Matéria publicada em 25 de março de 2017, 10:21 horas

 


Angra dos Reis – A manifestação dos professores e pais de alunos do Centro de Educação Infantil Santa Rita, realizada na última semana e que interrompeu o tráfego de veículos na Rodovia Rio-Santos por algumas horas, na altura da Itinga, no Bracuí, rendeu uma reunião realizada, na Secretaria Municipal de Educação, Ciência e Tecnologia.

O encontro foi incentivado pelo vice-prefeito, Manoel Cruz Parente, que esteve na hora do manifesto e provocou os participantes para formar uma comitiva e comparecer à Prefeitura para esclarecimentos sobre o tema. Os professores e pais de alunos diziam estar reivindicando o salário do mês de fevereiro e o direito de professores e funcionários de se alimentarem junto com as crianças, através do programa da merenda escolar.

A reunião na Secretaria aconteceu com a secretária de Educação, Stella Salomão e alguns servidores do setor de controladoria e finanças da pasta; o vice-prefeito; mães (Priscila Alves, Naiara Freitas e Ana Dara) e a auxiliar de direção e professora, Andréia de Almeida Ramos Ferreira. A Secretária esclareceu que o pagamento de fevereiro não foi efetuado pela prefeitura, já que a creche é subvencionada pelo município, porque a prestação de contas apresentada na segunda-feira, pela diretoria da Creche, esta com irregularidades e faltando informações orçamentárias. De acordo com o apurado pela Secretaria, foi omitido o gasto de R$ 22 mil com despesas de INSS. De acordo com Stella Salomão, a Prefeitura só pode pagar um mês quando o anterior tiver com suas contas de acordo com o que é recomendado e exigido pelo Tribunal de Contas do Estado.

A diretoria da Creche argumentou que enviou uma solicitação de remanejamento de parte de seu orçamento de janeiro prevista para despesas com manutenção e aquisição de bens, para pagar o INSS, justificando tal atitude pelo fato de não ter recebido janeiro em dia e não ter como pagar este conta. No entanto a secretária explicou que isso não é possível, já que janeiro já havia passado e seria um mês executado, não podendo mais haver modificações. A equipe da Secretaria também se ofereceu para, junto a Controladoria Geral da Prefeitura e a Secretaria de Fazenda, estudar uma maneira legal de realizar este remanejamento de recursos que ainda estão por vir. Paralelo a esta iniciativa, a diretoria da Creche também teria de fazer o seu “dever de casa”, modificando sua planilha de investimento com a retirada do montante necessário para quitar a dívida com o INSS, detalhando como será feito para cumprir o planejado originalmente. Stella deixou claro que o repasse dos recursos de fevereiro só poderá ser feito após ter resolvido todo este impasse.

Vale lembrar que quando o prefeito Fernando Jordão assumiu a prefeitura, em 1º de janeiro de 2017, havia um resto a pagar referente aos meses de novembro e dezembro, o que comprometeu o poder aquisitivo dos funcionários que atuam na Creche. Este acerto só pôde ser feito em fevereiro, quando, só então a prefeitura pôde renovar o convênio.

Para concertar esta situação, além da nova planilha de investimento com a justificativa embasada de como será feito o cumprimento do que foi planejado gastar durante o ano, a secretária também pediu que os trabalhadores voltassem às suas atividades, encerrado a paralisação iniciada em 10 de março, para não prejudicar mais as cerca de 400 crianças assistidas no centro de Educação Santa Rita e seus pais e garantir o repasse de março, pois não terá como o Executivo pagar por um serviço que não foi realizado (há risco de os dias parados serem descontados). Vale ressaltar que a Creche é particular e a Prefeitura apenas cobre parte dos gastos da instituição, conforme o convênio firmado. Atualmente, o órgão recebe da Prefeitura R$ 1.080 milhão em recursos e R$ 1.029.835,00 de alimentação, totalizando uma ajuda de R$ 2.109.835,00 por mês.

Debate: Participantes formaram comitiva para debater questionamentos feitos em protesto (Foto: Divulgação)

Debate: Participantes formaram comitiva para debater questionamentos feitos em protesto (Foto: Divulgação)

Merenda Escolar

Em relação ao fornecimento de refeição para professores e funcionários, a Prefeitura ratificou a posição tomada no início do ano, de não permitir que o servidor se alimente com a merenda escolar, que é fornecida através de recursos do Governo Federal, do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), especificamente para atender os alunos.

Recebemos o repasse do governo por aluno. É claro que sobra, pois têm as faltas dos alunos, tem aqueles que comem pouco ou nem comem, que resultam em sobra e até descarte de alimentos não consumidos. Mas infelizmente não podemos fazer nada, pois não pode usar a merenda para outro fim que não alimentar os estudantes”, esclareceu Stella Salomão. Ela explicou ainda, que a sobra só pode ser oferecida aos professores pela empresa fornecedora e de forma gratuita. Mas isso não ocorre.

A equipe da Secretaria de Educação espera que a diretoria da Creche se organize para apresentar uma prestação de contas de acordo com a legislação em vigor, para que o repasse dos recursos referentes ao mês de fevereiro seja feito o mais breve possível e que os professores se conscientizem de que o melhor a fazer é voltar ao trabalho para garantir a continuidade do convênio. Lembrando que o impasse está acontecendo não por culta da Prefeitura, mas pela falha orçamentária apurada pelos técnicos no documento apresentado pela creche.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document