domingo, 17 de outubro de 2021 - 09:09 h

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / Lua de Saturno pode ter vida

Lua de Saturno pode ter vida

Matéria publicada em 22 de junho de 2021, 16:27 horas

 


Sonda da Nasa detectou gás metano escapando de fendas

Sonda: A Cassini detectou metano nos gêiseres de Encelado

No mês passado a agência espacial americana Nasa anunciou que vai enviar duas novas sondas ao planeta Vênus. A Davinci e a Veritas vão partir, respectivamente, em 2028 e 2030 para investigar a atmosfera e a superfície do mundo mais próximo da Terra. O interesse por Vênus aumentou depois da detecção do gás fosfina em sua atmosfera. Gás que pode ser produzido por seres vivos. Enquanto isso, do outro lado do sistema solar, um outro tipo de gás, o metano, pode ser evidência da existência de vida na lua Encelado, do planeta Saturno.

Encelado é uma lua coberta de gelo que foi observada de perto pela sonda espacial Cassini, entre os anos de 2005 e 2017. As imagens da Cassini revelaram a existência de uma serie de gêiseres no polo sul daquela Lua. Eles emitem jatos de vapor de água, poeira e gases que se projetam centenas de quilômetros no espaço. Os cientistas concluíram que existe um oceano de água líquida por baixo da calota de gelo de Encelado. E que a água aquecida por vulcões submarino se projeta pelas fendas no gelo do polo sul. Entre os gases detectados pela Cassini esta o metano, que, aqui na Terra, esta associado à vida.

Um grupo de pesquisadores da universidade de Viena, na Áustria, resolveu investigar o tipo de seres que poderiam viver nos mares ocultos de Encelado. Eles escolheram um tipo de bactéria primitiva, conhecida como Arqueia. Essas arqueias são diferentes das bactérias comuns por não possuírem um núcleo célular. Mas são seres vivos que se reproduzem, se alimentam e tudo o mais. Durante o estudo, a equipe da cientista Ruth-Sophie Taubner descobriu que as arqueias produzem gás metano, como o que foi encontrado em Encelado. E portanto esta lua de Saturno pode abrigar um tipo de vida primitiva, como os primeiros seres que habitaram o nosso planeta.

Comprovar essa hipótese será um pouco difícil. A sonda espacial Cassini deixou de funcionar e caiu em Saturno em 2017. E a Nasa não tem nenhum projeto de enviar novas sondas para Saturno, que fica a mais de um bilhão de quilômetros da Terra. Além de Vênus, e da lua Encelado, outro lugar que pode ter vida extraterrestre é a lua Europa, que fica no cinturão de radiação do planeta Júpiter. Como Encelado, Europa também tem um oceano oculto por uma capa de gelo permanente. A Nasa e a agência espacial europeia tem duas sondas programadas para investigar a superfície gelada de Europa. A sonda da Nasa é a Europa Clipper, que deve partir em 2025. A sonda europeia é a JUICE, com lançamento previsto para 2022.

A água, essencial para a vida, parece ser uma substancia muito comum no Universo. Só em nosso sistema solar existe água aqui na Terra, no núcleo dos cometas, nas luas de Júpiter e Saturno e no planeta Marte. E descobertas recentes, em mundos de outras estrelas além do Sol revelaram a provável existência de água em pelo menos dois mundos.

Nuvens de vapor de água foram detectadas na atmosfera do planeta TOI-1234b que fica a 90 anos-luz da Terra. O TOI-1234b é um gigante gasoso semelhante ao planeta Netuno do nosso sistema solar. Ele orbita muito próximo de uma estrela anã vermelha e o ano lá tem apenas 24 dias. Ao contrário do nosso Netuno, que fica distante do sol e tem temperaturas frígidas a temperatura nas nuvens do TOI-1234b fica em torno dos 60 graus centigrados o que permite a existência de água líquida.

Ainda mais interessante é o planeta Kepler 1649c que fica a 300 anos luz de distancia. Ele é apenas 1,06 vezes maior do que a Terra e se encontra na zona habitável do seu sistema solar. Com temperaturas amenas ele pode ter oceanos de água líquida como o nosso planeta. O novo telescópio espacial James Webb, que deve ser lançado ao espaço em outubro deste ano vai investigar esses mundos com mais detalhes.

 

Jorge Luiz Calife

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document