quinta-feira, 15 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Os atalhos do espaço sideral

Os atalhos do espaço sideral

Matéria publicada em 9 de julho de 2018, 08:20 horas

 


Pesquisa pode comprovar a existência dos “buracos de minhoca” ou fendas espaciais

1979: A Enterprise cai dentro de um wormhole

No mês passado um grupo de cientistas anunciou que vai usar o observatório LIGO para procurar por “buracos de minhoca”. Túneis dimensionais que poderiam conectar regiões muito distantes do espaço e do tempo. O fenômeno foi previsto pela Teoria Geral da Relatividade de Einstein, mas sua existência nunca foi comprovada. O que não impediu dezenas de cineastas e escritores de ficção científica de usarem esses atalhos em seus filmes, romances e seriados de TV.

Star Trek: A Deep Space 9 e seu buraco de minhoca

A existência dessas pontes dimensionais surgiu como uma solução possível para as chamadas equações de campo da Relatividade Geral. Inicialmente elas foram chamadas de “pontes de Einstein-Rosen” em homenagem a Einstein e ao físico Nathan Rosen. O nome popular, “buraco de minhoca” (wormhole em inglês) foi criado em 1960, por outro físico famoso, John Wheeler, mas custou a pegar. No romance “2001: uma odisseia no espaço”, criado a partir do roteiro do famoso filme de Stanley Kubrick, o misterioso monólito negro cria uma dessas pontes para enviar o astronauta David Bowman para uma estrela a dez mil anos-luz da Terra.

Teoricamente um buraco de minhoca poderia conectar galáxias distantes, permitindo atravessar milhões de anos-luz em poucas horas. No cinema o primeiro uso do termo buraco de minhoca foi feito em “Jornada nas Estrelas – O filme” de 1979. No filme do diretor Robert Wise a nave Enterprise é sugada para dentro de um buraco de minhoca devido a um defeito nos seus propulsores.

Contato: Jodie Foster e a praia do infinito

Treze anos depois, em 1992, outro buraco de minhoca apareceu no seriado “Jornada nas Estrelas – A nova missão” (Deep space 9 no original). No seriado a fenda dimensional é descoberta perto de uma grande estação espacial e usada para explorar regiões desconhecidas da nossa galáxia. “Deep space 9” abordou uma questão raramente mencionada a respeito desses atalhos espaciais. Eles são instáveis e só poderiam ser estabilizados por meios artificiais. Ou seja, se encontrarmos uma dessas pontes espaciais podemos ter certeza de que ela é obra de seres inteligentes muito avançados.

“Stargate” foi outra serie de TV dos anos de 1990 que usou e abusou dos buracos espaciais, o problema com essas visões cinematográficas do fenômeno é que elas estavam visualmente erradas. O buraco de minhoca é mostrado como um túnel, feito de luz azulada ou alaranjada que aparece como um buraco no céu. Na verdade a entrada de um wormhole só parece um círculo se for projetada num plano bidimensional, como uma folha de papel. No espaço tridimensional ela seria uma esfera, algo como uma enorme bola de sabão.

Interestelar: A Endurance entra na bolha

No filme “Contato”, de 1996, Jodie Foster interpreta uma astrônoma que recebe uma mensagem de seres extraterrestres. A mensagem contem as instruções para construir uma “máquina de wormhole”. Que transporta a personagem até o centro da nossa galáxia. Apesar de ter sido baseado num romance do astrônomo Carl Sagan, “Contato” mantem a visão tradicional do wormhole como um comprido túnel através do espaço.

Uma visão moderna só surgiria em 2014, no filme “Interestelar” do cineasta Christopher Nolan. Onde Anne Hathaway e Mathew McConaughey entram na bolha de um wormhole e vão parar em uma galáxia distante. Como em Deep Space 9 o atalho dimensional é controlado por seres inteligentes que vivem fora do fluxo normal de tempo. Amelia, a personagem da Anne Hathaway, sugere que essas criaturas dimensionais podem visitar o futuro ou o passado, que para eles seria como vales e elevações de um universo multidimensional.

O que nos leva a uma conclusão interessante, se o observatório LIGO comprovar a existência dos wormholes, através das ondas gravitacionais que eles emitem, poderemos ter uma prova da existência de civilizações extraterrestres mais avançadas. E a ficção terá virado realidade outra vez.

Por: Jorge Luiz Calife
jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. E se eu te falar que a Terra é plana e que não exite espaço sideral e nada dessa baboseira ai que vc falou?

    Que a NASA criada em 1961 logo após as operações militares Dominc, Deep freeze e FishBolw e os governos mundiais assinarem o acordo da Antártida, manipula tudo e todos assim como as demais agencias espaciais? Antartida: Lugar este onde se encontra a resposta de tudo.

    Pois é, maluco né? o Mundo não é nada oq pensamos…

    • Já tomou seu Rivotril hoje?

    • Jão.. Tb tive esse mesmo espanto quando vi esse assunto pela primeira vez. Ridicularizei sem questionar… mas depois resolvi tentar entender o pq dessas afirmações… daí que tudo faz sentido. Aconselho da uma pesquisada no assunto. Abraços

    • Sim, já vi. E foi aí q achei mais absurdo ainda.

Untitled Document